Religiosos realizam fogueira na Pedra de Xangô em Cajazeiras


 

pedra-de-xango
Foto Mônica Silveira

Para comemorar o Dia de São Pedro – de Xangô – Nzazi e Sogbo  (29 de junho ),  O GT de Trabalho Externo de Implantação do Parque Pedra  de Xangô em parceria com as comunidades de terreiros de Cajazeiras e adjacências realizará a 1ª Fogueira na Pedra de Xangô.

A iniciativa do evento é do Ilê Axé Palèomon – liderado pelo babalorixá  Josias Santos  de Cajazeias XI e conta com o apoio e participação dos seguintes terreiros: Ilê Axé Oxalufã, Ilê Axé Tumbi Odé, Ilê Axé Lodemim,  Mutalombo Yê Kaiongo,  Ilê  Asé  Obá Bábà Serè, Ilê  Asé  Obá Bábà UluFan  Ala, Ilê Axé Lodemim, Ilê Unzó katulande de Unzambe, Vodun kwe Tò  Zò, Ilê Axé Odé Aty Ya Rè, Ilê  Asé  Opó Babá Obatalá Demi,  Centro Espírita Raio de Luz.

O evento acontece nesta terça-feira (29), a partir das 9h, será transmitida  através dos  perfis do Instagram: @pedra.de.xango – @canticos_doorum – @williamdeoxala1616 – ile_ase_oba_paleomon

A solenidade tem como objetivos comemorar o dia de São Pedro e das  divindades afro-religiosas Xangô, Nzazi e Sogbo, bem como apresentar à sociedade civil  o Grupo de Trabalho criado pela Fundação Gregório de Mattos para analisar de que maneira o  município, estado e união irão contribuir  para a efetiva proteção e salvaguarda  da Pedra de Xangô e todo o seu entorno (APA – Área de Proteção Ambiental  Vale do Assis Valente e Parque em Rede Pedra de Xangô.

Escolinha Maria Felipa abre inscrições para formação pedagógica em educação étnica-racial


 

 

A escolinha de educação infantil afro-brasileira e bilíngue Maria Felipa realiza ciclo de Formação Pedagógica em Educação Infantil para as Relações Étnico-Raciais, nos dias 28, 29 e 30 de junho, através do Google Meet, de 19h às 21h.

Interessades podem se inscrever até o dia 26 de junho, aqui, no valor de R$60, e busca construir coletivamente uma perspectiva de educação que respeite e possibilite as múltiplas formas de existir.

O ciclo foca em uma educação antirracista e nas percepções dos povos africanos e índigenas, assim como fortalecer caminhos possíveis na contínua busca por um mundo mais igualitário, diverso e que permita reinvenções por meio também de tecnologias e saberes ancestrais.

Para dividir as práticas e referenciais teóricos da própria instituição com outros gestores, coordenadoras/es, profissionais da educação e interessadas/os/es, a Maria Felipa traz a escritora e ativista indígena Eliane Potiguara, para abrir a formação, no dia 28, com o tema “A importância da literatura indígena no movimento indígena”.

Também terá a participação da Dra. Vanda Machado, que ministrará o segundo encontro “Oralidade e ancestralidade na escola”, no dia 29. No dia 30 de junho, o encerramento fica a cargo da educadora e contadora de histórias africanas Giselda Perê, que ministrará o debate “A mitologia africana da educação infantil”.

Vanda Machado
Dra. Vanda Machado

Educação

A Escola Maria Felipa é afrocentrada, afroafetiva, anti-opressiva, valoriza a diversidade e carrega o nome de uma mulher, uma referência histórica de força, luta e liderança, como compromisso com a ancestralidade africana.

Programação
1° dia: 28/06/21 (segunda-feira)
Tema: “A importância da Literatura Indígena no movimento Indígena” ministrado pela professora, escritora e ativista indígena Eliane Potiguara.

2° dia: 29/06/21
Tema: Oralidade e Ancestralidade na Escola” ministrado pela professora e escritora Vanda Machado.
Horário: 19h às 21h (2h/aula).

3° dia: 30/06/21 (quarta-feira)
Tema: “A Mitologia Africana da Educação Infantil Escolar” ministrado pela professora Giselda Perê.
Horário: 19h às 21h (2h/aula).

INSCREVA-SE AQUI. 

Culinária Musical deste sábado (26) será dedicado ao Forró


 

jorge_washington_culinaria_musical

 

Encerrando a edição de junho do projeto Culinária Musical, o afrochefe Jorge Washington fará um especial Xinxim de Bofe, que o público poderá encomendar. Além de dedicar a edição ao São João, com muito forró. O Culinária será transmitido online e ao vivo no Youtube da Fundação Gregório de Matos, no sábado (26).

Neste dia, a partir das 12h, o público poderá acompanhar as apresentações do dia: Super Tom (Zé de Tonha) – músico profissional há mais de 30 anos, cantor e compositor, e Mauricio Lourenço – diretor e arranjador musical. Terá também a participação da aquarelista Fernanda Vera Cruz, que pintará uma aquarela ao vivo.

 

Neste dia, pedidos até as 10h serão entregues até as 12h. Já pedidos feitos após as 10h serão entregues após a transmissão ao vivo.

 

Edital – O projeto Culinária Musical, idealizado pelo afrochefe Jorge Washington,  com gestão de projeto da Simples Produções e produção da Mil Produções, foi contemplado pelo edital de Ocupação e Dinamização dos Espaços Culturais da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador para ocupar a Casa do Benin até junho de 2021.

 

*SERVIÇO*

Quando:  26/06 (sábado- 12h)

Onde: Youtube da Fundação Gregório de Matos

Quanto: encomendas R$50 porção pra duas pessoas (+ taxa de entrega), pedidos pelo zap do Afrochefe 71 99332-7096

Thiago Almasy estreia como diretor em curta gravado no Subúrbio


 

Ficção dirigida pelo ator baiano Thiago Almasy, Via Láctea traz a história de alienígenas que chegam à Bahia com o objetivo de dominar o planeta. Mas a missão é impactada pela pandemia. O desfecho disso poderá ser visto a partir das 19h da próxima quinta-feira (25), quando estreia no canal do artista no YouTube, plataforma onde permanece em exibição por sete dias.

“É um filme que lida com o fantástico. A ficção científica e a fantasia têm o poder de usar alegorias para refletir a própria condição humana. É um filme que tem muitas provocações”, diz Thiago, que faz uma pequena participação frente às câmeras. A começar pelo fato de que os alienígenas, que vêm na condição de colonizadores, passam a enxergar sob a perspectiva de pessoas em posições subjugadas. “É uma história que aborda o colonizador entrando no corpo do colonizado e experimentando essas subjetividades, as violências atravessadas por aquele corpo”.

Thiago Almasy

A obra, que tem cerca de 27 minutos, marca sua estreia como diretor e a amizade de oito anos com Genário Neto, um dos protagonistas do curta.

Logo após a estreia, no dia 25, a partir das 20h, Genário e Thiago comentam o filme em uma live. Na sexta-feira (26), no mesmo horário, Almasy se reúne, também em live, com o elenco do curta. Os eventos virtuais acontecem no perfil @ultimaplataforma, no Instagram.

Via Láctea
Lançamento: 25.06, às 19h | YouTube, no canal oficial de Thiago Almasy
Lives pós-lançamento: 25 e 26.06, às 20h | Instagram, perfil @ultimaplataforma

Coletivo LGBTIA+ Afrobapho lança laboratório digital de artes integradas


Foto_ Edgar Azevedo.

 

O Coletivo Afrobapho lança no dia 28 de junho o ‘AFROBAPHOLab: Bahia is Burning’, um laboratório digital de artes integradas, composto por rodas de diálogos, imersões artísticas e pocket shows, com o objetivo de visibilizar as produções de artistas independentes de Salvador.

O evento acontece de 13 a 15 de agosto, com o patrocínio de Natura Musical e do Governo do Estado da Bahia, através do Fazcultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda.

Serão três dias de atividades conectando artistas independentes, música, dança e performances, numa programação com apresentações musicais de artistas como Ventura Profana, Nêssa, Maya, DICERQUEIRA, entre outros. Além do lançamento de uma plataforma digital com mais de 200 artistas negros LGBTIA+ do Nordeste, mapeados e cadastrados, e uma websérie com 5 episódios, narrando a relação do coletivo com o ARTvismo.

“Estou muito feliz com o acontecimento desse projeto que será marcado como a primeira produção de grande porte do Afrobapho, que apresenta uma história de construção de novas narrativas criativas para visibilizar corpos dissidentes nas produções culturais e artísticas independentes”, conta Alan Costa, fundador do coletivo.

SERVIÇO

AFROBAPHOLab: Bahia is Burning

Datas: 13 a 15 de agosto

Programação: http://www.afrobapho.com.br

Canal: https://www.youtube.com/c/ColetivoAfroBapho  

Meninos Rei exalta ancestralidade africana em estreia na São Paulo Fashion Week


Foto Bruno Gomes

 

Uma ode a Exú – Há seis anos, o toque para Exú entoado pelos atabaques anunciava o primeiro desfile da recém lançada marca Meninos Rei, criada na Bahia pelos irmãos Júnior e Céu Rocha. Hoje, o orixá da comunicação, da linguagem, é o tema da coleção “L’oju Esú”, tradução do iorubá para “Aos olhos de Exú”, que marca a estreia da Meninos Rei no evento de moda mais importante da América Latina: a São Paulo Fashion Week.

A marca estreia oficialmente no evento na próxima quarta-feira (23), às 19h50, apresentando o seu fashion filme com uma coleção-cápsula de cinco looks. Essa será a 51ª edição em uma programação transmitida ao vivo através das plataformas digitais da SPFW (site spfw.com.br, YouTube e Facebook).

“Essa coleção é uma ode à nossa ancestralidade africana e a Exú, que sempre esteve olhando por nós e nos conduziu pelo caminho que nos trouxe até aqui”, destaca Júnior Rocha.

 Os tecidos africanos, nessa coleção originários da Guiné-Bissau, e o patchwork, marca registrada da Meninos Rei, chegam em um mosaico de estampas.

Foto Bruno Gomes

Fashion Filme

“Tudo transita pelo viés das possibilidades, da ousadia, da liberdade, assim como é Exú. A essência da produção, desenvolvida por nós, pelo stylist Thiago Ferraz e seu assistente Gabriel Fabosa, aponta para a uma estética afro futurista, em que a profusão de informações transborda para além da roupa, causando um impacto visual chocante, imprimindo a imagem desse Exú high-tech, moderno, cosmopolita e tão presente no nosso movimento contemporâneo”, explica o designer de moda Céu Rocha.

Projeto Sankofa

A Meninos Rei participa do SPFW a convite do Projeto Sankofa, idealizado pelo coletivo Pretos na Moda e pela startup de inovação social VAMO (Vetro Afro-Indígena na Moda), que selecionou oito marcas em todo o Brasil para um movimento que abre espaço para estilistas negros e indígenas nas passarelas do SPFW.

ASSISTA!

Ativista e jornalista baiano participa de debate com Gilmar Mendes e Flávio Dino


Um dos nomes que despontam como articulador nacional na pauta dos direitos humanos, o jornalista baiano, ativista antirracista e LGBTQIA+ Yuri Silva estará nesta sexta-feira, 18, ao lado do governador do Maranhão, Flávio Dino, e do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, em webinar do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE).

Além de Silva, que é coordenador de Direitos Humanos do IREE, a atividade contará com o comando do presidente do instituto, Walfrido Warde, e a participação da economista-chefe Juliane Furno. A transmissão acontece pelo YouTube, às 16h30.

No debate, estará a Lei de Responsabilidade Social, iniciativa da qual Dino e Mendes são defensores. A legislação, nos moldes da Lei Complementar 101, que ficou conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), poderá criar, se for aprovada, a obrigação dos governantes em trabalhar para combater as desigualdades marcantes e estruturantes do Brasil.

 

 

Debate sobre culturas do Recôncavo fomenta clima do interior no pré São João


 

Nos dias 15 e 16 de junho, o Instituto Popular do Recôncavo (IPR) realizou o Culturas do Recôncavo, com transmissão ao vivo no próprio youtube. O encontro ocorreu,  justamente, no mês de junho, quando tradicionalmente as atenções culturais se voltam para as práticas e rotinas do interior.

As duas mesas do evento foram mediadas pela Doutora em Antropologia (UFBA), Cleidiana Ramos, que destacou a importância de pautar elementos estruturantes da cultura baiana. “Cultural do Recôncavo nos mostra as belezas presentes na rotina e nas vivências da região”, destaca Cleidiana Ramos e culminando com o objetivo do IPR – Instituto Popular do Recôncavo, que fortalece expressões artísticas locais, a partir do cuidado dos bens simbólicos e materiais, assim como, promove reflexão sobre as influências que formam a diversidade cultural do Território.

 

Na terça-feira, dia 15, com o tema As Diversas Culturas do Recôncavo reuniu à Doutora em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Fátima Tavares e o Doutor em Solos pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e professor titular da Universidade Federal do Recôncavo (UFRB), Paulo Gabriel numa conversa sobre as referências nos costumes gastronômicos, religiosos e festivos.

Na quarta-feira, 16, o diretor do Centro de Culturas Populares e Identitárias da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (CCPI), André Reis e a jornalista, produtora de eventos e Quilombola do Koange, Andreza Viana falaram sobre a visibilidade da cultura popular do Território, permitindo um olhar enaltecedor sobre as experiências turísticas do Recôncavo, na mesa Culturas do Recôncavo e o Turismo.

 

O projeto tem o patrocínio do Governo do Estado da Bahia e marca mais uma ação do IPR no Recôncavo Baiano, de forma sustentável e com o objetivo de gerar o desenvolvimento da região. Culturas do Recôncavo fomenta a formação de agentes culturais e estudiosos sobre a sustentabilidade do Território Baiano, entendendo-a como estruturante do desenvolvimento local.

 

Sobre o Recôncavo Baiano – Formado por 20 municípios baianos: Cabaceiras do Paraguaçu, Cachoeira, Castro Alves, Conceição do Almeida, Cruz das Almas, Dom Macedo Costa, Governador Mangabeira, Maragogipe, Muniz Ferreira, Muritiba, Nazaré, Santo Amaro, Santo Antônio de Jesus, São Felipe, São Félix, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passe, Sapeaçu, Saubara e Varzedo, o Território é localizado na região da Baía de Todos os Santos.

O Recôncavo é considerado privilegiado por ser rico culturalmente. O Território também é o berço do samba de Roda e carrega consigo uma forte herança africana, presente na música, dança, religiosidade e culinária. No Recôncavo da Bahia há também a tradição familiar de produzir licores de frutas, relacionada diretamente com os festejos juninos.

Zebulon Fyah e banda Red Meditation retomam com show online


 

Foto Imas Pereira

Zebulon Fyah e banda Red Meditation retomam seus trabalhos e voltam à cena do reggae mundial. Depois de 10 anos, o grupo estreia em uma formação inédita, tendo à frente o cantor e compositor baiano, radicado na Califórnia (EUA), Zebulon Fyah. A volta acontece em um show ao vivo, online e gratuito, realizado no dia 1º de julho, Dia Internacional do Reggae, às 19h, no canal do Portal Surforeggae, no YouTube (youtube.com/c/surforeggaeoficial)

Como música de lançamento dessa nova temporada, o grupo traz “Amor Universal”, composição recente do header Zebulon Fyah, com um recado potente para os tempos atuais. “O que acontece no mundo hoje impacta individualmente a cada um de nós. E, mais do que nunca, é preciso relembrar que, independente das diferenças, aquilo que nos liga, a religião, é e sempre será o amor”, resume Zebulon.

A Red Meditation nasceu na Bahia, em 1999, e lançou o seu primeiro álbum, “Jah Music”, em 2002. Nesta retomada, o grupo traz as influências fundamentais do reggae roots rastafari, de artistas como Bob Marley, Peter Tosh, The Congos, Steel Pulse e Midnite.

 

Serviço:

Live Zebulon Fyah e banda Red Meditation – Dia Internacional do Reggae
Data: 1 de julho de 2021 (quinta-feira)
Horário: 19h
Transmissão: YouTube Surforeggae – www.youtube.com/c/surforeggaeoficial

Cantor, compositor e instrumentista Ras Elias lança EP “Ori-gens”


 

 

O cantor, compositor e instrumentista Ras Elias lança seu novo trabalho, o EP Ori-gens, que já está disponível em todas as plataformas digitais.

Na música independente produzida em Salvador, Ras Elias chega em 2009, participando de bandas/grupos como: Daganja Mc, Dubstéreo, Bemba Trio, Sistema Kalakuta, Os Agentes e Clube do Ragga.  Em 2017, Ras Elias estreia sua carreira solo, com o lançamento do videoclipe de “Todos os Santos”. Além disso, já lançou os videoclipes de “Bruxa 75” e “Tempo de Amor”.

O EP Ori-gens agrega ritmos africanos e afrodiaspóricos e mistura Hip-Hop-Jazz, Samba, Reggae, Bahia Bass, Pagode e R&B, entre outros gêneros, somados ao som orgânico instrumental.

“Ori-gens retrata a ancestralidade negra, nossas alegrias e dores, cultura e espiritualidade, estratégias de sobrevivência e autoestima. É preciso falar também de novas possibilidades e conquistas”, pontua o artista.

O projeto é uma realização da Encruzilhada Arte-Produções em parceria com o APA Studio e tem o apoio financeiro do Estado da Bahia, através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.