MAMcestralidade inicia com exposição “Caminhos” de Rodolfo Carvalho


Dando início às comemorações ao Mês da Consciência Negra e ao Projeto MAMcestralidade, o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) inaugura a exposição ‘Caminhos’, do artista plástico Roddolfo Carvalho, nesta quinta-feira (10), às 18h, na Galeria 3. Com uma trajetória de representações humanas dos Orixás através dos traços e da expressão estética, suas pesquisas sobre a mitologia Iorubá e Bantu tomaram grandes proporções, levando o artista a desenvolver uma exposição como um marco para dividir caminhos em seu trabalho.   Cada tela foi desenvolvida sob vários critérios de pesquisa, respeitando os aspectos arquetípicos de cada Orixá. Dentre as diversas representações estão Exu, Iemanjá e Oxum. “Eu trabalho com a temática dos Orixás há algum tempo, e minha ideia foi criar uma diversidade de figuras sempre vinculadas ao elemento mitológico, já que eu não faço figura sacra nem religiosa”, afirma Roddolfo Carvalho.   A exposição busca desenvolver um olhar crítico e sensível, explorando as possibilidades de expressão e interpretação da diversidade cultural como uma forma de ver, viver e conviver com a arte. “As figuras são baseadas numa poética da mitologia, sejam Iorubá ou Bantu, trazendo o elemento humano dessas pessoas que viveram entre os homens e se tornaram divindades, deixando sua linhagem aqui na Terra”, explica o artista.   Além de mesclar a cultura da diáspora trazida pelos povos escravizados, as obras têm misturas de diversos elementos da cultura europeia e islâmica, “trazendo essa nova ótica da figura dos Orixás aos olhos dos soteropolitanos. Os elementos do passado servem para nos trazer aprendizado e construirmos o presente. A contemporaneidade, de forma geral, é muito plural e global. Essa exposição é um fragmento da minha própria vida enquanto artista e pesquisador, pois busco sempre criar novas possibilidades, trazendo os Orixás ao campo do compartilhamento”, reflete.   Sobre o artista   Graduado em Artes Plásticas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), e mestrando em Belas Artes, o artista plástico, designer, professor e ilustrador Roddolfo Carvalho aposta na percepção de sentidos para inspirar-se. Suas obras seguem a linha de retratos de Orixás. Além de ser seu trabalho, desenhar é sua atividade cotidiana, garantindo bons momentos de imersão profunda em seu mundo particular.   A exposição ‘Caminhos’ integra o projeto MAMcestralidade, onde uma série de atividades estão sendo preparadas em comemoração ao mês da consciência negra em Salvador. A mostra segue em cartaz até o dia 11 de dezembro de 2016. Conheça o trabalho do artista plástico Roddolfo Carvalho no Facebook ‘Atelier Rodolfo Carvalho’, Instagram @atelierroddolfocarvalho e atelierrodolfocarvalho.blogspot.com.br. Confira as novidades na página do Facebook do MAM-BA ‘Museu de Arte Moderna da Bahia’.   Serviço  O quê: Lançamento do projeto MAMcestralidade com abertura da Exposição ‘Caminhos’ Quando: Dia 10 de novembro Onde: Galeria 3 do MAM-BA Visitação: 11 de novembro a 11 de dezembro (terça a domingo, das 13h às 18h) Entrada gratuita
Foto Genilson Coutinho

Dando início às comemorações ao Mês da Consciência Negra e ao Projeto MAMcestralidade, o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) inaugura a exposição ‘Caminhos’, do artista plástico Rodolfo Carvalho. Tudo começa nesta quinta-feira (10), às 18h, na Galeria 3 e vai até dia 11 de dezembro.

Cada tela foi desenvolvida sob vários critérios de pesquisa, respeitando os aspectos arquetípicos de cada Orixá. Dentre as diversas representações estão Exu, Iemanjá e Oxum. “Eu trabalho com a temática dos Orixás há algum tempo, e minha ideia foi criar uma diversidade de figuras sempre vinculadas ao elemento mitológico, já que eu não faço figura sacra nem religiosa”, afirma Roddolfo Carvalho.

Além de mesclar a cultura da diáspora trazida pelos povos escravizados, as obras têm misturas de diversos elementos da cultura europeia e islâmica, “trazendo essa nova ótica da figura dos Orixás aos olhos dos soteropolitanos. Os elementos do passado servem para nos trazer aprendizado e construirmos o presente. A contemporaneidade, de forma geral, é muito plural e global. Essa exposição é um fragmento da minha própria vida enquanto artista e pesquisador, pois busco sempre criar novas possibilidades, trazendo os Orixás ao campo do compartilhamento”, reflete.

Rodolfo Carvalho

Graduado em Artes Plásticas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), e mestrando em Belas Artes, o artista plástico, designer, professor e ilustrador Roddolfo Carvalho aposta na percepção de sentidos para inspirar-se. Suas obras seguem a linha de retratos de Orixás. Além de ser seu trabalho, desenhar é sua atividade cotidiana, garantindo bons momentos de imersão profunda em seu mundo particular.

Foto Genilson Coutinho
Foto Genilson Coutinho

Serviço

O quê: Lançamento do projeto MAMcestralidade com abertura da Exposição ‘Caminhos’

Quando: Dia 10 de novembro

Onde: Galeria 3 do MAM-BA

Visitação: 11 de novembro a 11 de dezembro (terça a domingo, das 13h às 18h)

Entrada gratuita

#SoteroEntrevista – Rapper MV Bill fala de Salvador


mvbill
Foto: Carlo Locatelli

Ele esteve em Salvador na última sexta (4), uniu rappers da cena local, uniu jovens que tem na cultura hiphop seu maior referencial e cantou para um público fervoroso. Alex Pereira Barbosa, o MV Bill, conversou com o Portal SoteroPreta sobre Salvador neste cenário, confere:

Portal SoteroPreta –  O que precisa ser dito hoje sobre o cenário hip-hop no Brasil?

MV Bill – Alguns avanços significativos. O cenário se expandiu por todo o território nacional, tenho feito meu papel para ajudar a escoar toda essa produção através do programa que apresento no canal Music Box Brazil, que vai ao ar aos sábados, às 22h exibindo clipes de rap nacional. Aliás, o único programa exclusivo de clipes de rap brazuca na TV. Isso é um grande passo.

Portal SoteroPreta –  A Bahia, sob seu olhar, que papel ela tem nesse contexto? 

MV Bill – Papel importantíssimo! A Bahia sempre teve público para o rap, e de um tempo pra cá também vem contribuindo com bons grupos. Tem muitas pessoas que admiro! Gosto muito da cultura e modo de vida local.

Portal SoteroPreta –  Que paralelo você faz entre seu rap, seus livros e seu audiovisual? 

MV Bill – Todos são conectados, um se alimenta do outro. Não tem como dissociá-los.

Portal SoteroPreta –  De que poder o povo negro de fato precisa?

MV Bill – Empoderamento político! Mas antes é necessário se organizar

mvbill
Visita a comunidade na Boca do Rio Reprodução Facebook

Portal SoteroPreta –  Na cena cultural, em especial?

MV Bill – Os artistas fazem sua parte, mas continua sendo o povo quem escolhe aquilo que vai fazer sua cabeça.

Portal SoteroPreta –  Como foi seu show em Salvador e o que esse lugar significa pra você?

MV Bill – Foi maravilhoso, sensacional… O povo de Salvador me trata como um familiar, me sinto em casa. Isso faz toda a relação ser diferenciada.

Portal SoteroPreta –  Você e a mídia, como avalia esta relação hoje?

MV Bill – Isso eu não “avalio”, isso eu vivo!

Portal SoteroPreta –  O que vem por ai de MV Bill?

MV Bill – Muitas novidades! Fiquem de olho nas redes sociais!

Se liguem!

Exposição Benssangana homenageará ialorixás no Shopping Liberdade esta sexta (11)


exposicaobessananga-2Nesta sexta (11), às 18h, no Shopping Liberdade, será lançada a nova edição da Exposição Bessangana, uma homenagem fotográfica a cinco ialorixás do bairro da Liberdade.

Dentre elas: Mãe Hildelice, filha carnal e sucessora de Mãe Hilda Jitolu, matriarca do Ilê Aiyê, comemorando 40 anos de iniciação no Candomblé; a Nengua de Inkice, Mãe Xagui de Oxaguiã, que também comemorará 80  anos de iniciação religiosa.

O evento contará com o show de Carla Lis, vocalista da Banda Didá. O acervo traz fotografias inéditas feitas por Patricia Pinheiro Crisóstomo, autora da Exposição Benssangana e curadora do acervo, e tem como objetivo contemplar o universo feminino de mulheres dedicadas ao sagrado afrobrasileiro e a preservação do legado religioso e cultural do povo negro baiano.

Sarau da Onça prepara II Festival de Arte, Cultura e Concurso Literário


saraudaoncaA onça vai ganhar mais fôlego agora! O Sarau da Onça foi contemplado no edital Setorial de Literatura da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) com o projeto “II Festival de Arte, Cultura e Concurso Literário Sarau da Onça”.

Ele que propõe uma série de ações culturais no bairro de Sussuarana, onde o Sarau atua.

Dentre elas está o Concurso Literário Sarau da Onça, que selecionará 90 poemas e 10 contos de autores locais, além da publicação em 5 mil exemplares desta Antologia Poética.

A publicação será entregue aos poetas participantes e também vendida, cuja renda será revertida para financiar ações culturais do Sarau da Onça em Sussuarana. O lançamento da publicação será no Espaço CENPAH – Centro de Pastoral Afro – Anfiteatro Abdias do Nascimento (Sussuarana – Novo Horizonte), onde o Sarau atua, em maio de 2017.

“A gente se integra assim, fazendo com que elas entendam que a Sussuarana é um local positivo, trazendo a boa visibilidade para o bairro, promovendo nelas o orgulho, a partir daí elas divulgam, participam” – Sandro Sussuarana

saraudaoncasussuaranaProgramação – Além do concurso literário, serão oferecidas oficinas de Teatro, Dança, Hip Hop, Criação Literária, que vão ser ministradas por membros do Sarau da Onça e convidados, aos sábados ou domingos.

O Festival terá encontro no qual poetas, dançarinos, músicos e atores. E, claro: terá o Sarau da Onça, no qual serão feitas homenagens a pessoas e entidades ligadas à cultura popular, educação e história do bairro e do seu entorno.

Sarau da Onça

As ações do Sarau da Onça ocorrem quinzenalmente na comunidade de Sussuarana e integram uma rede de ações afirmativas fundada nas questões sociais. Veja aqui entrevista com um dos membros do Sarau, Sandro Sussuarana.

Fotos: Lissandra Pedreira

Balé das Iyabás e #MaisAmorEntreNós – Encontros de afeto entre SSA e RJ


baledasiyabas

Ludmilla Almeida e Sinara Rúbia, duas mulheres negras cariocas à frente do Grupo Cultural Balé das Iyabás (RJ). Elas estiveram em Salvador para participar de mais um Encontro de Auto Cuidado e Segurança de Ativistas (últimos domingos do mês), uma iniciativa pautada no movimento #MaisAmorEntreNós, idealizado pela jornalista soteropreta, Sueide Kintê.

A programação deste Encontro é definida a partir da necessidade de um grupo de mulheres ou de uma mulher. Fazemos tudo que ela gosta, além de fazermos, em grupo, a Técnica de Redução de Stress (TRE), reflexologia e conversar bem descontraidamente sobre as intempéries da militância e da nossa vida”, explica Sueide.

Conheça mais um pouco do Balé (fotos de Safira Moreira):

baledasiyabasPortalSoteroPreta – Como o Balé tem atuado no RJ? 
Elas – O Grupo Cultural Balé das Iyabás é um grupo de Mulheres Negras que propõe a reflexão sobre o protagonismo da mulher na sociedade a partir da mitologia dos Orixás. Pensando a arte de forma política, trabalhamos com as questões de gênero e raça, tendo como missão o fortalecimento, emancipação e empoderamento de mulheres, sobretudo Mulheres Negras. Desde o início do trabalho, sobretudo das oficinas que começaram em 2013, temos um público frequente de mulheres que reconhecem a nossa vivência como o espaço que ela se propõe: um espaço permanente de diálogo, resistência, manutenção da nossa cultura, combate ao racismo, ao machismo, à violência contra a mulher e empoderamento feminino.
baledasiyabas
PortalSoteroPreta –  Como as mulheres têm interagido com as vivências?
Elas – Devido à dinâmica e forma como conduzimos a oficina, a Vivência se torna um espaço de acolhimento, em que muitas mulheres se sentem motivadas a compartilhar suas experiências, mesmo as mais traumáticas. As mulheres vão em busca de conhecimento, trocas de experiências, afetividade, empoderamento, identidade. Já presenciamos filhas que levaram as mães, mães que levaram filhas e filhos, mulheres com seus companheiros e mesmo empreendimentos que surgiram inspirados no nosso trabalho.

“Todo esse retorno nos impulsiona para seguir com a missão do nosso trabalho, que traz resultados importantes e gratificantes!”

baledasiyabas8
PortalSoteroPreta – Onde vocês atuam e qual tem sido o alcance do Balé?
Elas – As Vivências do Balé acontecem uma vez por mês em um espaço fixo, que se reveza entre o Centro Cultural Municipal Laurinda Santos Lobo e o Sindsprev/RJ. Por sermos apoiadas pelo Fundo Fale Sem Medo – parceria entre o ELAS Fundo de Investimento Social e o Instituto Avon -podemos, desde 2014, ampliar nossa área de atuação, levando a oficina para um abrigo de mulheres em situação de violência doméstica e algumas comunidades/favelas do Rio de Janeiro como, Morro dos Prazeres, Cidade de Deus, Batan, Vidigal e Maré. Além disso, levamos as Vivências para outras cidades, como Salvador , Redenção (CE), São Paulo, Vitória (ES), Brasília (DF).
baledasiyabasPortalSoteroPreta – Como se dá as vivências propostas por vocês?
Elas – A Vivência do Balé é uma oficina com dinâmicas de interação entre a mitologia das Iyabás e suas manifestações e ressignificações em nosso cotidiano, propondo analisar aspectos políticos, sociais e culturais das mulheres no nosso dia-a-dia. Trazemos também para o corpo, movimentos inspirados na gestualidade das Iyabàs, propondo uma leitura que dialogue com este universo no contemporâneo e nos fortaleça através do balé dessas Orixás. Já as performances desenvolvidas pelo grupo, correspondem a uma linha de pesquisa e criação que aborda a semelhança entre os Itans – “mitos”ancestrais – e as vivências da vida cotidiana das mulheres de nossa sociedade contemporânea.
maisamorentrenos
Encontro em Salvador
PortalSoteroPreta – Qual importância de Encontros como este proposto pelo #MaisAmorEntreNós aqui em Salvador?
Elas – Esse encontro entre nós mulheres negras, nos fortalece para continuarmos abrindo espaço, caminhando e nos empoderando juntas. Consideramos ainda, a importância de reconhecer na nossa ancestralidade, história, religiosidade e cultura negra, a força e o conhecimento que atuam como alicerces para toda nossa compreensão de mundo.
A ida para Salvador, além contribuir com a missão do nosso trabalho, possibilita a ampliação de uma rede de afetividade, autocuidado e conhecimento entre mulheres de diferentes estados, que se encontram por questões semelhantes: sermos mulheres, sobretudo mulheres negras, numa sociedade racista e patriarcal como a nossa.

baledasiyabasPortalSoteroPreta – Como vocês vêem a crescente preocupação quanto à afetividade das mulheres negras?

Elas – As mulheres negras no Brasil, ainda sofrem as consequências de uma sociedade escravagista, em que foram objetificadas enquanto mercadoria de trabalho braçal, doméstico e sexual. Aprendemos desde cedo que somos mulheres fortes, que devemos servir ao trabalho e nunca nos foi ofertado o lugar de fragilidade dado às mulheres brancas. Aprendemos desde cedo também, o que é o abandono e solidão, já que a realidade de muitas mulheres negras é de conduzirem sozinhas suas vidas, famílias, filhas e filhos; ou com a ajuda de mães, avós e outras mulheres que formam essa rede de cuidado e sororidade. Aprendemos a odiar nossos traços, nosso cabelo, nossa cor. Como pensar em amor, com toda essa realidade imposta de dor?

“Acreditamos que os diversos grupos e coletivos de mulheres negras que promovem diferentes iniciativas e encontros, são fundamentais neste processo de autoconhecimento, autocuidado e transformação, colaborando assim para a mudança desse quadro estrutural e possibilitando a consciência que nos estimula a lutar pelo nosso direito à vida, à felicidade e ao amor.”

 

juliacoutobaledasiyabas
Júlia Couto

POR Júlia Couto, presente no Encontro realizado em Salvador:

Um balé de emoções!

As Ayabás se fizeram presentes

Bussoladas por águas raras, caras de Kinté

Ela trouxe um batalhão de flores, borboletas, cores

Os sabores sentidos, vistos, tocados no olfato

Duas belas rainhas bailando as sentimentalidades do meu ser

Senti Orisá perto, junto, tranquilo, feliz

O #MaisAmorEntreNós me faz sentido

Pois “Eu sou ela e ela sou eu!”

Fui dormir sonhando auto-cuidado!

Sonhos bons!

Encontro Mafro e Você pauta fotografia, dança e literatura às quartas-feiras


afrostillosalbertolimamafro

Foto: Alberto Lima
Renata Trindade

O Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia – MAFRO promove nas quartas-feiras de novembro (9, 16 e 23), às 16h30, o Encontro O Mafro e Você 2016, uma série de diálogos aberta ao público para tratar do tema da Década Internacional de Afrodescendentes (2015/2024).

Instituída pela ONU, a Década reforça a cooperação global para uma participação igualitária em todos os setores da sociedade.

O Mafro e Você 2016 começa com o fotógrafo Alberto Lima, que apresentará seu último trabalho, o Projeto Stillos. Nele, Alberto Lima aborda o empoderamento negro através da fotografia, mostrando oportunidades no mercado da moda de Salvador e propondo um contraponto ao conceito eurocêntrico de beleza.

luizbokanhamafro
Luiz Bokanha

No dia 16, terá bate papo com o professor e coreógrafo Luiz Bokanha, de carreira internacional que já passou pelo Balé Brasileiro da Bahia, pelo Gran Theatre de Géneve (Suíça), a Companhia Balé do Século XX (de Maurice Béjart) e no Balé da Cidade de São Paulo. Foi também coreógrafo e diretor da casa de show Maracanã, em Firenze (Itália), por 20 anos.

O encontro O Mafro e Você 2016 termina com o Papo de Senzala Navio Negreiro, projeto coletivo que revisita o poema de Castro Alves, através de performances de canto, dança e poesia.

O papo será com a professora Vanda Machado, a socióloga Sandra Maria Bispo e os músicos Juraci Tavares e Marcos Santana.

AGENDE-SE 

Dia 9/11/2016, 16h30

Painel: Empoderamento negro através da fotografia

Facilitador: Alberto Lima (Afro Stillos)

Dia 16/11/2016, 16h30

Painel: Por que o negro dança?

Facilitador: Luiz Bokanha (Coreógrafo)

Leitura dramática: Lindete Souza (Atriz e jornalista)

Dia 23/11/2014, 16h30

Painel: Papo de senzala Navio Negreiro

Facilitador: Marcos Santana e os convidados Profa. Vanda Machado, Socióloga Sandra Bispo e Juraci Tavares (Centro de Estudos Miguel Santana, Camerata Castro Alves, Núcleo de Cultura Popular, Quilombo Clementina de Jesus e Projeto Aruá).

Serviço:

Onde: Museu Afro Brasileiro da UFBA (Sala Rotunda)  – Largo do Terreiro de Jesus

Quando: 9, 16 e 23 de novembro de 2016, 16h30

Quanto: Gratuito| Informações: 3283-5540

Teatro Gamboa tem shows e espetáculos negros este mês


issonaoeumamulatamonicasantanaubuntu
Isso Não É Uma Mulata – Foto Andréa Magnoni

E o Teatro Gamboa Nova denegriu sua programação neste novembro! Re-apresentações e estreias estão entre os espetáculos e shows que serão apresentados ao longo do mês.

Vai ter a intérprete lírica Inaicyra Falcão, cantando músicas que marcaram época no concerto “Memórias”, nesta quarta (9), às 20h. É um show especial, com obras conhecidas nas vozes de cantores como Nelson Gonçalves e Ângela Maria, trazendo cancões que falam da beleza e diversidade das relações humanas.

sedeusfossepretoubuntu
Se Deus Fosse Preto – Fto Max Fonseca

Entre as atrações também terá a performance Coisas do Povo Preto, da Bumbá Escola de Formação Artística, que reúne uma série de intervenções artísticas sempre às sextas e sábados, antes dos espetáculos, que começam às 20h. Nas performances serão abordados temas como o empoderamento da mulher negra, cotas raciais, juventude negra e ancestralidade.

No dia 22, o Teatro Gamboa Nova sediará um bate-papo sobre questões sociais e de gênero, com o tema Mulher, Negra e Feminista. O encontro é gratuito e começa às 19h. Terá a participação de ativistas e convidadas. Esta ação é promovida pela Coletiva Muitas, em parceria com o Teatro, uma abertura para entender a relação da mulher negra com o movimento feminista.

eles_nao_sabem_de_nada_divulgacao
Eles não sabem de nada – Festival Ubuntu

A Coletiva Muitas é um grupo autogestionado de feministas que atuam em diferentes frentes, desde apoio jurídico e psicológico até ações de conscientização e formação voltadas para as mulheres soteropolitanas.

FESTIVAL

Já entre os dias 23 e 26 de novembro, estreando em Salvador, um grupo de jovens artistas e ativistas negros se reunirão em um festival totalmente dedicado à cultura negra e o protagonismo das mulheres: o Ubuntu – Festival de Negras Artes (saiba mais).

 teatrogamboanova

TEATRO

Com direção de Jean Pedro e protagonizado por Sergio Laurentino (Bando de Teatro Olodum), o espetáculo Se Deus Fosse Preto – O Legado de LOID volta a cartaz no Teatro Gamboa Nova no dia 30 de novembro e nos três dias seguintes 1, 2 e 3 de dezembro, às 20h.

E antes de cada espetáculo, o Teatro Gamboa Nova exibirá vídeos do Coletivo Frases de Mainha durante todo o mês.

AGENDE-SE

PERFORMANCE
Coisas do Povo Preto – Bumbá Escola de Formação Artística
sextas e sábados antes dos espetáculos
Empoderamento da mulher negra, juventude e ancestralidade, em intervenções artísticas realizadas por Antônia Costa, Islânia Almeida, Ícaro Oliveira, Jessy Andrade, Marcela Lima, Rafael Carvalho, Vânia de Jesus, Vânia de Oliveira e Osvaldo Oliveira, com direção de Eugênio Lima e produção de Roberto Filho.

BATE PAPO
Mulher, negra e feminista
22/11 (terça) – 19h – GRATUITO
Último bate papo da série em parceria com a Coletiva Muitas, que será centrado na relação das mulheres negras com o movimento feminista, os lugares de tensão, aproximação e suas vivências.

MÚSICA
Concerto Memórias – Inaicyra Falcão
03 e 09/11 (qua e qui) – 20h –  R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)
Um resgate das memórias da intérprete, que valoriza a música brasileira e o canto erudito, através de um repertório que inclui nomes como Nelson Gonçalves e Ângela Maria, além de outras canções das décadas de 50 e 60.
CLASSIFICAÇÃO 12 ANOS

B.A.V.I – Anderson Petti e João Almy
04 e 05 (sexta e sábado) – 20h  –  R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)
Berimbau Aparelhado Violão Inventado é um duo musical que une o berimbau e o violão na construção de texturas, ambiências e melodias, explorando sonoridades incomuns e referências musicais populares, regionais e urbanas.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE
.
Uma visita aos antigos carnavais – Lucas Ribeiro
13 e 20/11 (domingo) – 17h –  R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)
Um GamBoaMúsica Pôr do Sol recheado de marchinhas, cirandas, ijexás, frevos, galopes, sambas-reggae, resgatando sons tradicionais carnavalescos com muita cor e alegria.
CLASSIFICAÇÃO LIVRE

TEATRO 

Se Deus Fosse Preto – Sérgio Laurentino
30/11 (quarta) + 01,02 e 03/12/2016-  20h –  R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)
Um homem negro, preso injustamente pelo assassinato de sua filha e de sua esposa, escreve textos que, após a sua morte, se revelarão como base para a criação de um novo paradigma mundial.
CLASSIFICAÇÃO – 16 ANOS

FESTIVAL
UBUNTU FESTIVAL DE NEGRAS ARTES (UFNA) – R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)
Espetáculos que promovem a visibilidade sobre a realidade e cultura negras.

CINEGAMBOA
Frases de Mainha 03 a 30/11 – antes dos espetáculos – GRATUITO
O humor baiano continua por aqui, trazendo para o teatro um pouco do sucesso dos curtas protagonizados por Sulivã Bispo e Thiago Almasy nas redes sociais.

Nara Couto lança clipe “Linda e Preta” nesta quarta (9)


 naracoutolindaepretaEla é preta e linda. Ou “Linda e Preta”, como intitula seu primeiro single, a cantora Nara Couto. A música, composta por Jarbas Bittencourt e interpretada em seu show “Outras Áfricas”, ganha agora um clipe, que será lançado na Katuka Africanidades (Praça da Sé) nesta quarta (9), às 18h.

O lançamento será embalado por um pocket show de Nara, que apresentará, em primeira mão seu videoclipe, dirigido pelo ator Lázaro Ramos e Elísio Lopes Jr.

Ele foi gravado nas ruas do Curuzu, onde a beleza da mulher negra é tema de concurso anualmente, onde reside o Mais Belo dos Belos – o Ilê Aiyê.

Na música, “Linda e Preta”, Nara traz elementos do jazz, referências sonoras africanas e um toque percussivo com a marca da Bahia. O trabalho tem produção musical assinada por Jorge Solovera.

Nara Couto usa a música contra os estereótipos em torno das mulheres negras. “A canção convoca as mulheres negras a falarem por si, protagonizem suas histórias”,diz.

No clipe, a cantora aparece como representante da força feminina negra, cantada nos versos do Ilê. Após lançamento, o clipe estará disponível a partir das 19h30 no Youtube.

naracoutooutrasafricasBio

Ela começou como bailarina e já é especializada em Dança Afro Contemporânea. Foi no Balé Folclórico da Bahia que Nara Couto obteve a formação rítmica e o entendimento da música africana. Dançou para artistas como Daniela Mercury, Ivete Sangalo, Margareth Menezes e, após nove anos, enveredou como vocalista, passando a cantar com artistas como Daniela Mercury, MagaryLord e Mateus Aleluia, até ingressar como vocalista da Orquestra Afrosinfônica, na qual atua há seis anos.

Serviço

Lançamento videoclipe “Linda e Preta”

Quando: 9 de novembro (quarta-feira),às 18h

Local: Katuka Africanidades (Praça da Sé – Centro Histórico)

Entrada gratuita.

#ACenaTaPreta – Ridson Reis estreia direção com “O Contêiner”


ridsonreisbandodeteatroolodum
Ridson Reis

Há três anos ele conheceu um texto do angolano José Mena Abrantes, que contava a história de três africanos que saem de suas casas, cada um por seu motivo, em busca de uma vida melhor, em busca da ascensão social.

A leitura mexeu com o ator de 28 anos – 11 dos quais compartilhados com o Bando de Teatro Olodum. É a convite deste que ele chega ao Festival A Cena Tá Preta, que começa nesta sexta (4), no Teatro Vila Velha.

ridsonreisoconteinerbandodeteatroolodumEstamos falando de Ridson Reis, que levará aos palcos do Vila, nos próximos dias 12 e 13 de novembro, seu primeiro trabalho como diretor teatral na peça O Contentor (O Contêiner).

Na trama, os três africanos querem chegar à Europa e, para isso, entram clandestinamente no porão de um cargueiro português. Daí em diante, os atores Cell Dantas e Edy Firenzza conduzem o espectador pela viagem dos sonhos destes imigrantes, mas que talvez não tenha chegado a um final feliz.

“Nós pretos saímos de um lugar (físico ou abstrato) em busca de ascender e melhorar nossas condições de vida porque acreditamos e sonhamos. Mas os donos de navio não querem, e nos aprisionam em seus contêiner’s”, nos aprisionam e não nos deixam sonhar”, explica Ridson.

ridsonreisbandodeteatroolodumImigração africana, direitos humanos, tensões raciais são alguns dos temas que Ridson  dirige na peça.

“O texto, escrito em 94 por Mena Abrantes, é baseado em fatos reais. Tudo aconteceu no porto de Lisboa em 1988, entretanto não há nada mais contemporâneo. Hoje, nos é tirada nossa educação – que é a peça base e mais importante na busca da realização desses sonhos”, afirma.

Ridson contextualiza: “Isso está acontecendo nesse momento. Só neste ano já morreram quase 4 mil pessoas tentando sair da África pra Europa. Os que conseguem fazer a travessia, não têm a certeza de que realmente terão uma vida melhor, ou serão mandados de volta”, diz.

ridsonreisoconteinerbandodeteatroolodumO Contentor (O Contêiner) já foi encenado em Salvador em 2006 pela “Outra Cia de Teatro”. Uma coisa Ridson promete: esta é uma versão completamente diferente, “fiel ao texto de José Mena Abrantes”.

O Contentor (O Contêiner)

Quando: 12 e 13/11, sábado às 20h, domingo às 19h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 12 anos

Fotos: Divulgação

O Poder da Minha Cor começa este sábado (5) e segue todo mês


opoderdaminhacorcasa14
Maíra Vilas Boas

Durante todos os sábados do mês de novembro, o Espaço Cultural Casa 14 – Pelourinho promoverá o evento “O Poder da Minha Cor”, um encontro multilinguístico de manifestações artísticas pela valorização da Cultura Negra. Começa este sábado (5), às 17h.

O evento reunirá artistas e bandas locais como Som de Crioulas, Banda Lama e Dj Elton Santos além dos grupos e membros de movimentos culturais que lutam pela representatividade e empoderamento negro, especialmente os jovens, como o Grupo Desabafo Social e a Marcha do Empoderamento Crespo de Salvador, e contará também com a presença da editora chefe do Portal SoteroPreta, Jamile Menezes e da Superintendente de Políticas para Mulheres, Mônica Kalile, que abordará sobre: violência contra mulher x direitos humanos, entre outros temas atuais voltados para a mulher.

No dia 05 de novembro às 17h, primeiro dia do evento, será marcado pelo lançamento da Exposição Coletiva de três jovens estudantes, que abordará a temática do negro na sociedade atual, além do som do Dj Elton Santos da Festa Afro Rave, que fará um esquente do seu evento que acontecerá no mesmo dia.

O projeto O Poder da Minha Cor é uma iniciativa colaborativa mas que tem sua idealização pela produtora cultural Cris Rodrigues e a designer e artesã Maíra Vilas Boas. A realização é do Espaço Cultural Casa 14 – Pelourinho.

Os ingressos serão cobrados apenas para os shows, que começam a partir das 19h e custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), os acessos podem ser adquiridos no local, a partir das 17h.

PROGRAMAÇÃO

opoderdaminhacorcasa14
Cris Rodrigues

DIA 05/11

17h – Conversas Empoderocriativas com a Superintendente Mônica Kalile (SMP – Superintendência de Políticas para Mulheres de Salvador), Nadja Santos, membro da Marcha do Empoderamento Crespo de Salvador, e Jamile Menezes, autora do Portal SoteroPreta.

19h – Show da Banda Lama 20h – Dj Elton Santos e a Festa Afro Rave

20h40 – Show da Banda Som Crioulas e Convidados

DIA 12/11

17h – Conversas Empoderocriativas com Grassyela Nobre (Campanha Jovem Negro Vivo), e poesias em rimas com o grupo Militância Poética.

19h – Show da Banda Lama 20h – Dj Elton Santos e a Festa Afro Rave

20h40 – Show da Banda Som Crioulas e Convidados

DIA 19/11

17h – Conversas Empoderocriativas com Lívia Soares, Jamile e Maylu Isabel (Projeto La Frida – Bike Café Poético), e com o grupo Desabafo Social.

19h – Show da Banda Lama 20h – Dj Elton Santos e a Festa Afro Rave

20h40 – Show da Banda Som Crioulas e Convidados

DIA 26/11

17h – Conversas Empoderocriativas com o grupo Ágape (Sarau da Onça) e o Rapper Preto Joy.

19h – Show da Banda Lama 20h – Dj Elton Santos e a Festa Afro Rave

20h40 – Show da Banda Som Crioulas e Convidados