Livro Por Essas Linhas de Cá traz produções literárias de jovens negros


 

O livro Por Essas Linhas de Cá será lançado oficialmente nesta terça-feira (31), às 19h. O evento será transmitido na internet através da página do instagram @por_essas_linhas_de_ca e contará com a presença de vários jovens negros/as que tem textos publicados na obra.

O lançamento fecha um ciclo de trabalho de oito meses que resultou na produção de 1.000 exemplares da coletânea que já foi distribuído para autores/as e para 14 bibliotecas comunitárias, espalhadas pelo Estado da Bahia.

“Priorizamos entregar aos escritores/as antes de lançar como forma de respeitar o cuidado com quem produz: a/a artista”, avaliou Leo Vilas Verde, coordenador do projeto.

O livro é resultado do projeto de mesmo nome que selecionou 70 textos em conto, crônica e poesia de jovens negros e negras de todo o Estado da Bahia. O edital, lançado em janeiro deste ano, recebeu 412 inscrições que passaram por um processo avaliativo realizado por três profissionais negros e negras da literatura baiana.

Por Essas Linhas de Cá tem a realização do Coletivo Cultural Ibomin e conta com o apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

Serviço:

O que: Lançamento do Livro Por Essas Linhas de Cá

Quando: 31 de agosto (terça-feira), às 19h

Onde: no instagram @por_essas_linhas_de_ca

Acesso ao livro na bio do perfil.

Centro Cultural “O Gueto é Um Luxo” lança álbum musical com artistas da periferia


 

estudio-gxl
Digdig no Estúdio GxL_Foto Acervo Pessoal Digdig

 

O álbum “O Gueto é um Luxo”, produzido pelo GxL, estúdio musical do Centro Cultural de mesmo nome da obra, já está disponível nas plataformas digitais: Spotify e Deezer. A proposta é visibilizar o trabalho de artistas independentes dos guetos de Salvador que não encontram oportunidades no cenário musical e reafirmar a existência de uma vasta riqueza cultural nas periferias.

Entre os bairros representados estão Nordeste de Amaralina, Mussurunga e Bairro da Paz.

A direção musical é assinada por Digdig e a produção e arranjos por Digdig e Rafa Jah. Como intérpretes e compositores o álbum conta com Samuel Álan, Tiago Verdelho, VR “Victor Rocha”, Sereia e Jan Tchuco. O álbum tem seis faixas e as canções presentes trazem pagode, trap, love song, funk e bregafunk.

O Centro Cultural

O Gueto é Um Luxo reúne moda, cultura e arte transformando-se em um incrível centro cultural. O espaço também agrega um estúdio de gravação que oferece oficinas e apoio a artistas do bairro e ações empreendedoras sem patrocínio ou apoio público.

O lançamento do álbum é uma ação de contrapartida do Centro Cultural O Gueto é Um Luxo com uso do subsídio pago pelo Mapa Cultural de Salvador da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

SERVIÇO

Lançamento do álbum musical “O Gueto é Um Luxo”

Onde: Spotify e Deezer

Mulheres de Camaçari lançam obra literária “Almas Nuas em Carnes Duras”


mulheres-negras
Foto Thiago Monteiro

 

Na próxima sexta-feira, 03/09, seis mulheres da comunidade do Parque Florestal, em Camaçari, irão lançar a obra literária Almas Nuas em Carnes Duras, uma obra forte que contém 29 narrativas autobiográficas retratando seus cotidianos, suas dores, suas belezas e suas estratégias de enfrentamento.

A ação integra o projeto Narrativas Subterrâneas, que propõe o estímulo à expressividade de mulheres pretas não acadêmicas, através de uma oficina de escrita narrativa, valorizando suas memórias, suas estéticas discursivas e suas poéticas nas artes literárias.

O evento de lançamento, que será realizado às 19h no foyer do Teatro Cidade do Saber (em capacidade reduzida e seguindo os protocolos de segurança), contará com um sarau cênico, onde seis atrizes camaçarienses darão vida às histórias da obra.

O público terá a oportunidade de conhecer mulheres como Cláudia Oliveira, Elenita Barbosa, Helba Melo, Ivoneide Santos, Marilene Paraguassu e Natália Ramos, figuras centrais de suas famílias e suas comunidades.

Este projeto tem apoio financeiro da Secretaria de Cultura de Camaçari, através do edital 01/2019, possibilitando que os livros sejam distribuídos gratuitamente ao público, assim como à comunidade e instituições sociais. Os portões serão abertos a partir das 18h30.

Instagram – @narrativas_subterrâneas

Plataforma AfroSaúde disponibiliza profissionais de saúde negros e negras


 

mulher_negra_pesquindo

Está em busca de um profissional da saúde negro ou negra? A plataforma AfroSaúde chegou pra sanar essa demanda. A plataforma conta com funcionalidades como agendamento de consultas e/ou procedimentos para atendimento online ou presencial, receituário eletrônico, dentre outras ações. O aplicativo está disponível para aparelhos com sistema Android, ou na versão web, disponível no endereço www.afrosaude.com.br.

 

Fundada em 2019, a startup AfroSaúde busca desenvolver soluções tecnológicas em serviços de saúde para a comunidade negra. A empresa é uma healthtec de impacto social que busca dar visibilidade ao profissional de saúde negro e conectá-los a pacientes que buscam representatividade e atendimento mais qualificado em diversas atuações da área.

A AfroSaúde integra o time de startups acelerada pela Vale do Dendê, que foram escolhidas no ano passado pelo Qintess Ignite Startups, programa de uma das mantenedoras da instituição.

Atualmente, a plataforma possui cerca de 900 profissionais cadastrados em todo o Brasil, que terão a sua disposição uma plataforma completa que funcionará como um consultório digital, disponibilizando a agenda e acesso a prontuário eletrônico, atendimento online/telemedicina (para as áreas liberadas), receituário com assinatura digital, pagamentos automatizados, dentre outras funcionalidades.

As informações completas sobre a AfroSaúde podem ser obtidas por meio do portal www.afrosaude.com.br, ou nas redes sociais.

Culinária Musical estará no Canjerê Cultural da Casa do Boneco em Itacaré


 

Mestre Jorge Rasta

 

Em setembro, o projeto Culinária Musical do Afrochefe Jorge Washington estará no Canjerê Cultural da Casa do Boneco, em Itacaré. A parceria será lançada neste domingo (29), com transmissão via instagram do Mestre Jorge Rasta e do Afrochefe, a partir das 11h30.

Retomando à sua versão presencial, o Canjerê Cultural 2021 acontecerá na Fazenda Modelo Quilombo D’Oiti, no dia 5 de setembro, recebendo uma edição especial do Projeto Culinária Musical. O Canjerê Cultural é um evento beneficente em prol do XX Caruru de Ibeji e as Pedagogingas, voltado para a divulgação e difusão da cultura popular afro originária, organizado de forma comunitária pelo coletivo da Casa do Boneco de Itacaré-BA (CBI).

Realizado desde 2012, o Canjerê se consolidou como um espaço de produção cultural comunitária que aglutina diversas linguagens artísticas (circo, dança, música, teatro, culinária, audiovisual, artes visuais) em ações diversas de formação, de difusão cultural e de economia solidária.

Jorge Washington

SERVIÇO

O quê: Live de lançamento Culinária Musical no Canjerê Cultural da Casa do Boneco

Data: 29 de Agosto de 2021

Onde: Instagram do Mestre Jorge Rasta ( @jorge.rasta1 )

Cantor e compositor Trevo apresenta segundo EP de sua carreira, ‘Água de Flor’


trevo
Foto – Hick Duarte

 

O cantor e compositor baiano Trevo, de 22 anos, lançou hoje (27) o segundo EP de sua carreira, intitulado ‘Água de Flor’. Com roteiro, direção musical e visual assinadas pelo próprio artista, as cinco faixas do projeto audiovisual passam por atmosferas que apresentam nuances do batuque afro-brasileiro ao experimental.

“Quero que cada pessoa assista esse trabalho se permitindo sentir o que a obra oferece. No final das contas, o registro está ligado ao que homens e mulheres negres carregam consigo, inclusive sua espiritualidade. Por isso, posso dizer tão seguramente que a compreensão desse projeto está em cada um. Para mim, certamente é o materializar desta energia que vem da rua. Aquela que transforma, conflita e resolve. Feito para te fazer refletir sobre o poder que nós temos de tratar nossas próprias feridas”, diz Trevo.

Com influências de Lazzo Matumbi, Mateus Aleluia e Caetano Veloso, Água de Flor tem faixas produzidas por Marcelo Gerab, Rico Jorge, JTK e Pivaratu, com participações de Luiza de Alexandre, Yaminah Garcia, Layla Afrika, Hodari e o rapper mineiro Joca. O filme conta com direção de arte de Felipa Damasco e fotografia por Vinícius de Andrade e Naelson de Castro.

Solo “Medeia Negra” volta em cartaz em curta temporada no SESC Pelourinho


medeia-negra
Foto Ricardo Boni

 

O premiado solo Medeia Negra volta em cartaz em curta temporada no SESC Pelourinho. Estrelado pela atriz Márcia Limma, a peça recria o mito grego para os contornos reais da voz, do corpo e do pensamento de uma mulher negra.   A temporada acontece nos dias  2, 3, 4, 10 e 11 de setembro,às 19h, com ingressos a  R$40,00 (inteira) e R$20,00 (meia entrada).

O Teatro Sesc Pelourinho terá a capacidade reduzida em 40% (estarão disponíveis apenas 60 lugares), com distanciamento entre os espectadores e também entre artistas e plateia, além de controle de temperatura no acesso ao teatro.

Durante a pandemia, Medeia Negra foi visto por mais de 6 mil pessoas de todo o País em formato online pela plataforma SESC Em Casa. O espetáculo também foi apresentado em festivais no Uruguai, Alemanha e Portugal, além de São Paulo, Ceará e diversas cidades do interior da Bahia.

A narrativa expõe as opressões da mulher negra em diferentes lugares de fala e tempos históricos, como um grito contundente contra a estrutura social que a marginaliza, julga e aprisiona. Com elementos musicais, do jazz e blues americanos, referências políticas e da intelectualidade negra, como Ângela Davis, Djamila Ribeiro e Grada Kilomba, a peça provoca o público a refletir sobre o seu lugar no processo de descolonização dos mitos e práticas patriarcais e racistas.

“São histórias de uma Medeia que foi enegrecida a partir dessa convivência. Nós partimos do clássico de Eurípedes, mas trazemos contornos reais a partir deste corpo negro e da convivência com mulheres criminalizadas. Isso justamente para colocar o feminismo negro no protagonismo da cena”, explica a atriz.

SERVIÇO

Espetáculo Medeia Negra

Curta temporada: nos dias  2, 3, 4, 10 e 11 de setembro, às 19h

Ingressos a  R$40,00 (inteira) e R$20,00 (meia entrada).

Ajustes para garantir distanciamento entre o público. Total de 60 lugares disponíveis.

Fotógrafo Tacun Lecy lança fotolivro “Olhares sob a Pandemia”


 

Tacun Lecy
Tacun Lecy

 

Em julho de 2020, o fotógrafo Tacun Lecy esteve em dez comunidades periféricas de Salvador e Lauro de Freitas e em quilombos do Recôncavo Baiano para documentar a entrega das 33 toneladas de mantimentos doados pela campanha ‘150 FOTOS PELA BAHIA’. Esse movimento resultou no “Olhares sob a Pandemia”, fotolivro digital que ele lança nos dias 26, 27 e 28 de agosto.

O lançamento acontece em três momentos: no dia 26, com a apresentação da publicação; no dia 27, com uma conversa sobre o processo criativo da obra; e no dia 28, quando o foco é o debate sobre a criação artística em tempos de pandemia. Todas as atividades acontecem on-line, em formato de live, no Instagram do artista (@tacunlecy.fotografia). Vão contar com a participação de integrantes da equipe de produção da obra, representantes de comunidades fotografadas e dos fotógrafos Ismael Silva e Heitor Rodrigues, artistas contemplados no Edital Prêmio das Artes Jorge Portugal 2020. O fotolivro ‘Olhares sob a Pandemia’ estará disponível para acesso gratuitamente no site do artista (www.tacunlecy.com).

Este é o primeiro fotolivro digital de Tacun Lecy, que traz em 120 páginas fotografias em preto e branco, além de textos e legendas bilíngue (Português/Inglês).

Para o fotógrafo, o isolamento, o distanciamento social e a utilização de máscaras, potencializou a comunicação através do olhar. ’Olhares sob a Pandemia’ representa muitas coisas para mim nesse momento da vida. Não apenas pelo fato de eu ser um fotógrafo que está lançando um novo trabalho. Mas, especialmente por esse trabalho ter me permitido reencontrar pessoas em meio à escuridão de incertezas que a pandemia nos colocou e através dessas conexões dos nossos olhares, ainda poder sentir esperança por tempos melhores e ter fé que continuaremos resistindo juntos”, sintetiza Tacun Lecy.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia, através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal e o fotolivro ‘Olhares sob a Pandemia’ estará disponível para acesso gratuitamente no site do artista (www.tacunlecy.com).

Cocriadoras e Panteras Negras abordam temas como arte, cura e justiça no 3º episódio de “Cocriadoras convida”


A dupla Cocriadoras anuncia o lançamento do 3º e último episódio da primeira temporada de websérie musical com artivistas da Bahia: será com a banda Panteras Negras. O lançamento será dia 27 de agosto (sexta), às 21h, no youtube/Cocriadoras.

A dupla Cocriadoras, Gabri Ela e Ive Farias (Chapada Diamantina), se unem à banda Panteras Negras (Salvador) para apresentar músicas autorais e bate-papo sobre arte, cura, memória e justiça.

Composta por Dedê Fatuma, Suyá Sinergy, Line Santana e Ziati Franco, a banda Panteras Negras é a primeira banda instrumental LGBTQIA+ negre do mundo. Sua arte promove representatividade e questionamentos sobre a norma presente (homens, brancos, heterossexuais) na música instrumental.
A websérie “Cocriadoras convida” promove o encontro entre artivistas para difusão do trabalho artístico produzido por mulheres negras e LGBTQI+ da Bahia. São narrativas da criação que contribuem para reflexões sobre o presente e nosso futuro em sociedade.
Dois dos três episódios, desta primeira edição da websérie, já estão no ar. Acesse www.youtube.com/cocriadoras e se inscreva.
O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Serviço:

Lançamento do 3º episódio de Cocriadoras convida Panteras Negras
Quando: Sexta – 27 de agosto às 21h.
Onde: https://www.youtube.com/cocriadoras

Gab Ferruz apresenta ‘A-Fé-To’, primeiro álbum da carreira


gab-Ferruz
Foto – Leonardo Carvalho

 

As dez canções que compõem o álbum “A-Fé-To” da cantora Gab Ferruz trazem uma atmosfera pop, romântica, leve e tropical, unindo samba-afro, samba-reggae, chula, ijexá, pagode, jazz, reggae, cumbia e outros ritmos diaspóricos.

“Esse trabalho é genuinamente baiano, para dançar, acalmar, despertar a fé e amar. A construção desse disco foi bem especial e transformadora. Entrego ele com o desejo de afetar as pessoas pelos sentimentos mais bonitos que ele carrega”, afirma a cantora.

O disco apresenta músicas dos compositores soteropolitanos Dja Luz, Andersen Luz, Renata Bastos e Betho Wilson. Além de uma canção de autoria de Gab, “Desatina”, e a faixa-título em parceria com Tiago Nunes.

O disco tem produção musical de Tiago Nunes (percussões/bateria), Gab Ferruz e Jefferson Luís (violões/guitarra), além de contar com a participação de músicos soteropolitanos que também contribuíram com o arranjo – como Ejigbô (baixo), Magninho Jessan (baixo), Mário Soares (violino), Kiko Souza (flauta e sax soprano), Coquinho (sanfona), entre outros.

Sobre ela

A baiana Gab Ferruz faz parte da nova geração de cantoras brasileiras. Destacou-se nos programas da Rede Globo: SuperStar 2016, à frente da banda Alphazimu, e The Voice Brasil 2017, onde inaugurou a carreira solo e ficou conhecida como Gab Ferreira. Em 2021, embarca em uma transição iniciada com o lançamento do single “Linda Assim” e o novo nome artístico “Gab Ferruz”.

Serviço: Lançamento digital do disco A-Fé-To de Gab Ferruz

Data: 01/09/2021

Local: Principais plataformas digitais