Programa Evolução Hip-Hop concorre ao Prêmio Dynamite de Música Independente 2021


cultura negra
Dj Branco

 

No ar há 13 anos, o programa Evolução Hip-Hop, leva o melhor do rap aos ouvintes da 107.5 Rádio Educadora FM todos os sábados. Comandado pelo artista e produtor cultural Dj Branco, o Evolução está concorrendo ao Prêmio Dynamite de Música Independente 2021 na categoria Melhor Programa de Rádio ou Emissora.

O programa toca 100% de Rap Nacional, dando voz e vez a grupos que historicamente foram colocados à margem da grande mídia convencional. Apoia ainda na divulgação de eventos relacionados à cultura hip-hop, dos movimentos sociais e cultura negra baiana.

O programa acumula diversas honrarias, dentre prêmio nacional e moções de reconhecimento estadual pelo trabalho desenvolvido durante esses anos, tendo como carro chefe a música Rap.

Todo sábado, às 17h. Votação até 30 de maio.

Para ouvir, baixe agora o aplicativo Educadora Play ou acesse educadoraplay.ba.gov.br

 

Plataforma Semiótica Antirracista lança curso sobre Teorias da Imagem


antiracismo
Bruna Rocha

 

A Plataforma Semiótica Antirracista está com inscrições abertas para o curso Epistemologias da Imagem, que acontecerá nos dias 15 e 16 de maio, das 16h às 18h. Com certificado de 4h, o curso vai abordar um histórico das teorias da imagem e metodologias possíveis para análise dos discursos imagéticos-midiáticos na contemporaneidade.

O curso Epistemologias da Imagem é a terceira realização da Plataforma Semiótica Antirracista, fundada pelxs jornalistas e pesquisadorxs Bruna Rocha e Cássio Santana. As imagens constituem o ambiente simbólico das disputas de poder, da estruturação de tiranias e das lutas contra-hegemônicas. Base do imaginário coletivo, as imagens estão cada vez mais no centro das discussões sobre problemáticas importantes na sociedade contemporânea.

Inscrições

As inscrições serão por meio de formulário e serão confirmadas por e-mail, após confirmação de pagamento no valor de R$ 100,00.

 

cassio_santana
Cássio Santana

Como será o curso?

Dia 15/5Aula expositiva: I – Semiótica e imagem. Imagem e discurso. Imagem e poder, entre o inconsciente e o simbólico. Imagem e midiatização; II –  Imagem e sentido nos meios de comunicação. Imagens  e informação. Imagem e modernidade. A imagem enquanto espaço aberto de conflito e lutas. Memória e imagem. O enquadramento das imagens. Imagem e estratégias sensíveis

Dia 16/5Aula metodológica: Apresentação de categorias, operadores teórico-metodológicos e estratégias de análise de imagens-midiáticas pré-selecionadas e indicadas na ementa.

 

SERVIÇO

O que é? Curso Epistemologias da Imagem

Quando? 15 e 16/05, das 16h às 18h

Onde? Google Meet

Investimento: R$100

Informações: [email protected]

Inscrições: https://forms.gle/MRHU6FPSjxxGK1zU6

Estreia no Brasil remontagem de “A Sagração da Primavera”, reunindo 38 bailarinos de 14 países africanos


 

[© polyphem Filmproduktion] (1)
Com versão criada em 1975 pela coreógrafa alemã Pina Bausch (1940-2009), um dos maiores nomes da história mundial da dança, “A Sagração da Primavera”, baseada na mais célebre obra do compositor russo Igor Stravinsky (1882-1971), tem remontagem produzida com um elenco de 38 bailarinos de 14 países africanos, reunidos no Senegal para o registro em vídeo que agora estreia no Brasil.

 

O trabalho, que originalmente estava sendo preparado para uma turnê internacional, se reverteu em filme por conta da pandemia. É assim que surge o “Dancing at Dusk – Um momento com A Sagração da Primavera de Pina Bausch”, que o Goethe-Institut Salvador-Bahia promove como espetáculo de abertura da 14ª edição do VIVADANÇA Festival Internacional, com estreia no dia 29 de abril, Dia Internacional da Dança, às 20h, na plataforma Festival Scope, acessível pelo site www.festivalvivadanca.com.br.

 

SERVIÇO

Abertura do VIVADANÇA Festival Internacional 2021

Dancing at Dusk – Um momento com A Sagração da Primavera de Pina Bausch (40 min.)

Conteúdo extra: Pina Bausch The Rite of Spring – Rehearsals at École des Sables (7 min.)

Lançamento: 29 de abril (quinta-feira), 20h

Encerramento: 7 de maio (sexta-feira), 23h59

Plataforma de exibição: Festival Scope (acessível pelo site www.festivalvivadanca.com.br)

Quanto: R$ 10

Vendas: Pelo site www.festivalvivadanca.com.br

Classificação indicativa: Livre

Como Manter a Cultura Popular em Tempos de Pandemia?


 

boca_de_brasa_remonta
José Eduardo – Crédito Ana Devora

O projeto Diálogos Boca de Brasa vai discutir este tema e enriquecer o conhecimento sobre cultura popular no próximo sábado (24), às 16h, no canal oficial do Boca de Brasa no YouTube. A atividade integra a programação da Ocupação Artística | BOCA DE BRASA – Remonta no Espaço Cultural Boca de Brasa – CEU de Valéria.

Na edição deste mês os convidados serão o PhD em Cultura Contemporânea (PACC – UFRJ), José Eduardo Ferreira Santos, a educadora social, Jamira Muniz e a multiartista, arte educadora e educadora popular, Natureza França, que compartilharão suas experiências e como pensam estratégias para a manutenção da cultura popular em meio à pandemia. A mediação será por conta da artista plástica autodidata, Ivana Magalhães.

boca_de_brasa_remonta1
Ivana Magalhães

A ocupação

As oficinas integram a Ocupação Artística | BOCA DE BRASA – Remonta, que visa criar uma dinâmica artística no bairro de Valéria, incentivando o surgimento de novos grupos e fortalecendo os já existentes, além de potencializar a dança, linguagem predominante na região. Serão realizadas oficinas técnicas e artísticas, workshops, palco aberto, apresentações culturais, exibição de filmes e bate-papos durante janeiro a junho de 2021 que vão contar com a participação de nomes como o coreógrafo Zebrinha, o humorista Cristian Bell, o músico e produtor cultural André Coscarque e atriz Valdineia Soriano, do Bando de Teatro Olodum.

SERVIÇO
O que: Diálogos Boca de Brasa – como manter a cultura popular em tempos de pandemia – Ocupação Artística | BOCA DE BRASA – Remonta
Quando: 24/04, 16h
Onde: Canal oficial dos Espaços Boca de Brasa

“O Artista Suburbano – o Filme”: Comédia narra como jovens do subúrbio vivem a pandemia


artista_suburbano

Criado em 2015 para a internet, “O Artista Suburbano” reúne situações e comentários humorísticos de um jovem do Subúrbio. Estendido para curta metragem, a obra é o primeiro filme feito no Alto do Cabrito, e narra as aventuras cômicas do personagem no cotidiano da comunidade. O filme estreia em 20 de abril em plataforma digital.

Interpretado pelo ator Vagner Jesus, que já produziu filmes para internet como o “Nem Me Covid” (2020), “Manual como conter uma raça poderosa” (2020), e, circulou com a peça teatral “V de Viado” (2018-2019), além de atuar também roteirizou e dirigiu o filme.

Vivendo sozinho e com pouca grana, o artista precisa “dar seus pulos” para sobreviver financeiramente com o comércio de rua fechado em decorrência da pandemia, o que resulta em peculiares cenas de humor com requinte do suburbano.

“Quando vi a oportunidade de levantar o projeto pensei naqueles momentos do cotidiano que a gente acredita que daria um filme, que fosse de um jeito leve e divertido como é o suburbano”, conta Vagner. “Temos uma luta constante sobre como o Subúrbio é representado midiaticamente, o que reflete também no circuito de arte aqui, pois perdura uma ilusão de que o “Subúrbio não consome”. Esse filme aponta uma contramão dessa opinião, pois é uma cena muito pulsante de arte aqui”, reforça o ator.

Usando a linguagem do vlog, diário feito por vídeo, o filme mescla cenas do dia a dia entre as mais belas paisagens da região com as telas verticais das redes sociais. Aliando humor com um traço documental, o curta flagra o modo peculiar dos moradores em lidar com a pandemia.  O filme que fica disponível para o público entre os dias 20 e 27 de abril no Youtube, é recheado de gírias e expressões que marcam essa juventude.

SERVIÇO

Estreia  –  O Artista Suburbano – O Filme

QUANDO: de 20 a 27 de abril

ONDE: Canal do Artista Suburbano no Youtube (https://youtube.com/oartistasuburbano )

Gratuito 

Para mais informações, siga no instagram @oartistasuburbano

Grupo A Pombagem homenageia Luiz Gama e o artista Ramon dos Santos no Largo do Tanque


a_pombagem
Foto Hércules Bressy

 

A montagem produzida pelo grupo A Pombagem – que encerra neste sábado (24), às 14h, seu desfile cívico artístico pelo tecido urbano soteropolitano – resgata vida e obra do poeta, jornalista e advogado preto Luiz Gama e traz uma homenagem em vídeo exposição ao multiartista/pombo Ramon dos Santos, chamado carinhosamente de Perdido, vítima em 2020 das violências das ruas soteropolitanas.

A apresentação, gravada no Largo do Tanque, será exibida na fanpage do projeto (https://www.facebook.com/omuseuearua/). .

Apresentado em formato de sarau periférico, com condução dramatúrgica do poeta de rua Fabrício Brito, em O Museu é a Rua o local da apresentação vira uma galeria de arte em que o monumento é a obra que dispara o discurso. Interpretado pelo pombo Jansen Nascimento, Luiz Gama tem sua vida e obra retratada a partir de uma leitura afrodiaspórica, periférica, social, poética e crítica dos integrantes do grupo A Pombagem.

Nesta quarta e última edição do projeto O Museu é a Rua, além de homenagear o poeta Luis Gama, o grupo A Pombagem homenageia através de um vídeo que expõe fotografias e trabalhos desenvolvidos pelo artista de rua Ramon dos Santos, chamado carinhosamente pelos pombos de Perdido. Espancado até a morte na Estrada Velha do Aeroporto em 2020, Ramon – também conhecido como índio, era um artista de rua, artesão, artista plástico, pernalta, palhaço e brincante da cultura popular.

O projeto – que já passou pelos bairros de Fazenda Grande do Retiro, Liberdade e Lapinha – conta com uma exposição de fotografias que retratam o nosso patrimônio cultural e tem realizado rodas de conversas ao vivo transmitidas a partir das 19 horas, pelo Instagram do grupo A Pombagem (@apombagem). Neste sábado, 24 de abril, o bate papo será com o artista Toni Edson, da Associação Cultural Joana Gajuru, de Maceió – Alagoas, e tem mediação da pomba Meri Araújo, chamada pelo coletivo de Rainha.

Projeto Emaranhadas lança exposição “Imagens da Ancestralidade em Tramas da Pele”


emaranhada
Foto Joao Rafael Neto

A partir da sua história de vida pessoal, a artista Aislane Nobre compôs a exposição Imagens da Ancestralidade em Tramas da Pele, em que reúne um conjunto de ações que conduziram os resultados artísticos alcançados durante sua formação em artes visuais.

Na mostra, que o público do projeto EMARANHADAS – Casa Rosada ConVida poderá conferir nos dias 28 e 30 de abril, a partir das 18h, pelo canal do Youtube da Casa Rosada, as peças foram criadas e apresentadas com base nas conjecturas (sugestão: trocar a palavra conjecturas pela palavra relações) de Aislane e dos seus ancestrais.

 

“Meu trabalho e minha vida são uma coisa só e acabam trazendo à tona as reflexões que faço, sobretudo dentro do ambiente familiar. Não me vejo fazendo uma arte que não relacione as minhas problemáticas, o que vivo e sinto”, explica a artista.

 

Um dos pontos de análise da exposição é o fato dela buscar interpretar a vida e sua presença num corpo protegido por uma pele em estado de mutação e reconhecimento dos valores intrínsecos à sua história. Sobre este aspecto, Aislane destaca que, quando pensamos em ancestralidade, o principal registro é a cor.

 

Serviço 

Projeto EMARANHADAS – Casa Rosada ConVida

27/04 – Espetáculo de dança “Branda”, com Talita Melo, Meirejane Lima e Larissa Vitória

28/04 – Exposição “Imagens da ancestralidade em tramas da pele”, da artista plástica Aislane Nobre

29/09 – Pocket show intimista da Jann Souza

30/04- Apresentação única com as três artistas emaranhadas

*Transmissão pelo canal do Youtube da Casa Rosada, sempre às 18h!

Link: bit.ly/3pLFHWY

Culinária Musical tem novos encontros este fim de semana


Cal Ribeiro

 

Neste sábado (24), o projeto Culinária Musical do Afrochefe Jorge Washington trará uma programação que vai unir música, gastronomia afro-brasileira, dança e poesia, mistura que já se tornou característica do projeto que, em 2021, passou a ser virtual, por conta das limitações da pandemia. A programação será transmitida gratuitamente pelo Youtube da Casa do Benin, onde acontecia o Culinária, no Pelourinho.

 

Vanessa Soares – Foto José de Holanda

A atração musical será com o músico Cal Ribeiro, e a participação do convidado, o percussionista Gabi Guedes. A poesia e dança será com Vanessa Soares (SP). O prato do dia será Sarapatel, que também estará no #pralevardoafrochefe, no valor de R$50+taxa de entrega.

 

Gabi Guedes

Edital – O projeto Culinária Musical, com gestão de projeto da Simples Produções e produção da Mil Produções, foi contemplado pelo edital de Ocupação e Dinamização dos Espaços Culturais da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador para ocupar a Casa do Benin até junho de 2021.

 

SERVIÇO

 

O que: 4ª edição do Culinária Musical – Sarapatel

Quando:  24/04 (sábado- 12h)

Onde: Youtube da Casa do Benin (AQUI)

Quanto: encomendas R$50 porção de 1kg (+ taxa de entrega), pedidos pelo zap do Afrochefe 71 98878-4634

O Museu é a Rua homenageia os caboclos neste sábado (17)


museu_e_a_rua
Foto Hércules Bressy

Festa de Reis e região que guarda as memórias da Independência do Brasil na Bahia. É no Largo da Lapinha que se inicia as comemorações ao Dois de Julho – desfile cívico mais importante do estado e inspiração dramatúrgica para o espetáculo O Museu é a Rua, do grupo A Pombagem. Em uma homenagem aos caboclos e caboclas, ícones populares desta lutas, a montagem será transmitida virtualmente na página do facebook do projeto no dia 17 de abril, a partir das 14h.

Ao ocupar o entorno da Capela da Lapinha, o Museu é a Rua traz um diálogo entre teatro de rua e educação patrimonial. Um espetáculo cênico, educativo, patrimonial, que se debruça criticamente sobre o patrimônio, ora valorizando, ora problematizando.

 

Em O Museu é a Rua, o espetáculo se transforma em exposição e o público em visitante. O local da apresentação vira uma galeria de arte em que o monumento é a obra que dispara o discurso. O projeto conta ainda com uma exposição de fotografias que retratam o nosso patrimônio cultural.

Em seguida à apresentação, às 19h, ocorre uma roda de conversa com transmissão ao vivo pelo Instagram do grupo A Pombagem com Eduardo Duwal e Giselle Motta, ambos da CHAP – Companhia Horizontal de Arte Pública (Rio de Janeiro/RJ). Com mediação do pombo Jansen Nascimento, o bate-papo girará sobre teatro de rua, patrimônio, samba e demais manifestações da cultura popular.

O projeto é contemplado pelo Prêmio Jaime Sodré de Patrimônio Cultural, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

Serviço

O quê: espetáculo O Museu é a Rua

Quando: 17 e 24 de abril (sábados), às 14h

Temporada virtual:

facebook.com/omuseuearua

 

O quê: batepapo O Museu é a Rua – com Eduardo Duwal e Giselle Motta, da CHAP – Companhia Horizontal de Arte Pública (Rio de Janeiro/RJ), mediação do pombo Jansen Nascimento

Quando: 17 de abril (sábados), às 19h

Temporada virtual:

instagram @apombagem

Podcast Favela Quer Saber lança segunda temporada


favela_quer_saber
Foto: Fafá Araújo

O Podcast Favela Quer Saber – História de Arte e Cultura do Subúrbio de Salvador terá a segunda temporada lançada pelo Coletivo Mojubá Mídias e Conexões, nesta sexta-feira (16), às 19h, através de transmissão ao vivo pelo canal da Cipó Comunicação (https://youtu.be/RcXSjyRr0e4) e Facebook do Mojubá (https://www.facebook.com/2273930832685013/posts/3915184901892923/)

 

O evento contará com as presenças das integrantes do coletivo Andreza Mona e Myriam Santana e dos convidados Rafael Santana, jornalista e co-criador do podcast Pele Preta, e Anderson Simplício, influenciador e criador da página Belezas do Subúrbio.

 

Até o dia 8 de maio, serão disponibilizados, nas principais plataformas de streaming, 12 episódios do Podcast Favela Quer Saber, com entrevistas de artistas e grupos culturais da região. Entre os participantes estão a jornalista Rita Batista, o idealizador do Sarau do Cabrito, Fábio Santana, o Centro Cultural Mamulengo, o rapper e produtor cultural Cosca, a Quadrilha Imperatriz do Forró, o grupo Jovens Periféricos, o Acervo da Laje e o Centro Cultural Quilombo Aldeia Tubarão.

 

Além dos bate-papos, os programas contam com o quadro “Expresso do Subúrbio”, apresentado pela jornalista Marília Aragão, com dicas de turismo e lazer pelo Subúrbio. A ideia é oferecer uma lista de recomendações para que o ouvinte possa redescobrir ou descobrir esse território cheio de diversidade no período pós-pandemia.

 

O podcast Favela Quer Saber – História de Cultura de Arte é uma realização do Coletivo Mojubá e Cipó Comunicação Interativa. O projeto foi contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.