Escolinha inscreve para “AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa”


escolinha maria felipa

 

A escolinha de educação infantil afro-brasileira e trilíngue – português, inglês e libras – Maria Felipa há dois anos realiza ciclos formativos para as relações étnicas-raciais. A formação chega à sétima edição anunciando um novo nome: AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa. Terá a participação da Dra. em Educação, Nilma Lino Gomes, do Dr. em Semiótica e Linguística e Babalorixá Sidney Nogueira, além de Bruno Coelho, professor de línguas, e da pedagoga Cristiane Coelho.

A formação ocorre nos dias 13, 14 e 15 de setembro, através do Google Meet, de 19h às 21h respectivamente. Será iniciada no dia 13 de setembro no encontro “História pretinha das coisas: o caderno bilíngue de atividades afrocentradas de ciências”.

“Geralmente as pessoas cometem erros ao pensar a educação que pautamos e um deles é: acreditar que a nossa abordagem é unilateralizada e focada apenas nas religiões de matriz africanas, como se essa fosse a única possibilidade de pensar a comunidade negra na diáspora. Desejamos mostrar que somos pluriversais, que temos múltiplas frentes de atuação, de trabalho, na sociedade, intelectuais, conhecimentos científicos e filosóficos, aspectos culturais de naturezas diversas, a cultura popular, diversas frentes culturais a serem socializadas coletivamente e na escola”, afirma Bárbara Carine, idealizadora e consultora pedagógica da Maria Felipa.

 

escolinha maria felipa

 

No segundo dia (14/09), o encontro será com o tema “O movimento negro educador: o papel da escola na construção da sociedade que queremos”. Para fechar os inscritos(as) ficam com a mesa “Superando o racismo religioso na educação escolar: desafios e estratégias”, ministrada pelo Professor Dr. e babalorixá Sidney Nogueira, no dia 15 de setembro.

As inscrições, que vão até o dia 13 de setembro, podem ser realizadas pela plataforma Even3, no valor de R$60. O AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa é uma ferramenta para construir conjuntamente a superação das discriminações, preconceitos e violências, consequentes do racismo, machismo e lgbtfobia, através da educação.

 

Programação
1° dia – 13/09-  (19h – 21h) – Pró Cris Coelho e Prô Bruno Brito
Tema – História pretinha das coisas: o caderno bilíngue de atividades afrocentradas de ciências

2° dia – 14/09 – (19h – 21h) – Dra. Nilma Lino Gomes
Tema – O movimento negro educador: o papel da escola na construção da sociedade que queremos
3 dia – 15/09 – (19h – 21h) – Professor Dr. e babalorixá Sidney Nogueira
Tema – Superando o racismo religioso na educação escolar: desafios e estratégias

Serviço
O Quê: VII edição do AfroEducativa – Formações Pedagógicas Maria Felipa
Quando: 13, 14 e 15 de setembro, às 19h
Inscrições: R$ 60 (sessenta reais) https://www.even3.com.br/afroeducativaformacaomariafelipa/
Maiores informações: 71 3506-3731 / 71 98290-5917 | [email protected]

Fotos Divulgação

ABAM relaiza 4ª edição do Festival de Acarajé Solidário 


 

Foto Lucas Malkut

 

Idealizado pela Associação Nacional das Baianas de Acarajé, Mingau, Receptivos e Similares (ABAM), o Festival de Acarajé Solidário chega a sua 4ª edição, no próximo sábado (28), das 10h às 17h. Os interessados em participar poderão doar 1kg de alimento não perecível em um dos pontos de drive thru na cidade:

Memorial das Baianas – Praça da Cruz Caída/Sé – Centro Histórico

Quiosque do Ray – Av. Otávio Mangabeira/Pituba – Em frente ao posto Camurupim.

Ao entregarem, os doadores receberão dois acarajés, respeitando os protocolos sanitários.

Tendo em vista as dificuldades enfrentadas pelas Baianas de Acarajé que tiveram seu trabalho suspenso nesta pandemia, a ABAM vêm se mobilizando para diminuir os impactos e escassez sofridos por estas profissionais, junto a entidades públicas e privadas, parceiros, apoiadores e amigos. São feitas arrecadação de alimentos, doações financeiras e inclusão das empreendedoras em projetos que promovam trabalho, emprego e renda.

SERVIÇO

 4º Festival de Acarajé Solidário em formato drive thru

Quando: 28/08/21, das 10h às 17h

Onde:  Memorial das Baianas – Praça da Cruz Caída/Sé – Centro Histórico

 Quiosque do Ray – Av. Otávio Mangabeira/Pituba – Em frente ao posto Camurupim.

Quanto:  1k de alimento não perecível

Abertas inscrições do Edital da Década Afrodescendente  


mulher_negra_pesquindo
Está aberto o prazo de inscrições de projetos no Edital da Década Afrodescendente, lançado pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). A chamada pública conta com investimento total de R$ 3 milhões e pode ser acessada no site da Sepromi (www.sepromi.ba.gov.br).

Os recursos financeiros são apontados pelo Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa, com previsão de contemplar até 60 projetos com valor máximo de R$ 50 mil. O edital visa selecionar  propostas  voltadas à prevenção  e  enfrentamento  aos  efeitos  do  coronavírus e que  promovam sustentabilidade e geração de renda para a população negra e segmentos dos povos e comunidades tradicionais.

Serão selecionados projetos nas seguintes modalidades: Práticas Empreendedoras Solidárias, visando apoiar segmentos como baianas de acarajé, cadeias produtivas de licores, derivados da mandioca, dentre outras dos segmentos tradicionais; Tecnologias de Venda e Escoamento, com o objetivo de estimular a produção de tecnologias convencionais e sociais, criando redes de comercialização no contexto de isolamento social; além de Assessoria Técnica e Distribuição de Insumos, com apoio às práticas de produção de alimentos para subsistência dos segmentos tradicionais, através do estimulo ao plantio, aquisição e distribuição de insumos.

As propostas precisam ser formalizadas até o dia 12 de setembro, apresentadas exclusivamente por organizações da sociedade civil, através do e-mail: [email protected].

Afroempreendedores lançam financiamento coletivo para criar a Escola Egbé Criativo


Tauan Carvalho

O corte e a costura são o mote do projeto da Escola Egbé Criativo, iniciativa das afroempreendedoras Camila Nut Nansu e Tauan Carvalho. Por meio de financiamento coletivo, a Escola tem oobjetivo de potencializar criativos pretos a partir do curso de corte e costura, além de fomentar negócios locais para aquecer as comunidades. As doações podem ser feitas até 29 de agosto.

O projeto da Escola Egbé Criativo visa construir um espaço de compartilhamento de conhecimento afro referenciado, que estimula a criatividade de jovens pretos e periféricos interessados no setor da moda.

“Para quem é preto, ainda estando em Salvador, o trabalho criativo é pouco incentivado. Então queremos apresentar trajetórias pretas que mudam isso, esse é o motivo de elaborar o projeto”, conta a criadora, Camila Nut Nansu.

Camila Nansu

Para atingir a meta de R$15 mil, as designers participam de um financiamento coletivo turbinado, em que, a cada R$ 1 doado, fundações parceiras de micro negócios doam mais de R$ 2, triplicando os valores da campanha.

“Queremos afirmar a excelência preta em tudo que nós nos propomos a fazer e mudar realidades a partir de troca de experiências e saberes”, enfatiza Tauan Carvalho.

Com o montante de 15 mil reais, os afroempreendedores poderão comprar insumos, maquinários e contratar profissionais para a concretização da iniciativa de uma escola semipresencial direcionada aos territórios de maioria negra.

 

As doações podem ser feitas através do site Benfeitoria (https://benfeitoria.com/apoieabixacostura), em cada faixa de apoio doada existem recompensas. O projeto também aceita contribuições afetivas em qualquer valor por meio do pix para [email protected]. Conheça mais do projeto, dos afroempreendimentos e das histórias de Tauan Carvalho (@tauancarvalha/@bixacostura) e Camila Nut Nansu (@camilanutnansu/@nutcriativa) no Instagram.

 

SERVIÇO 

 

Escola Egbé Coletivo – Financiamento Coletivo

QUANDO: até 29 de agosto

ONDE: através do site https://benfeitoria.com/apoieabixacostura / e pix para [email protected]

Obra cênica NAU segue online em cartaz até novembro


 

NAU

A obra cênica NAU estreia nesta quinta-feira (19), em uma temporada online que seguirá até novembro. Serão, ao todo, 45 apresentações, sempre às 19h. A obra traz espíritos de personagens historicamente ignorados da construção social do Brasil, que voltam ao país em uma barca para um acerto de contas. Um musical afro-diaspórico-tupiniquim, NAU tem direção de Daniel Arcades e Thiago Romero.

Os ingressos serão vendidos no https://www.sympla.com.br/produtor/viapresscomunicacao, e custam R$10, R$20 e R$30, um formato que amplia a possibilidade para o público, que paga o quanto for possível. Parte dos ingressos será destinada gratuitamente para grupos teatrais, escolas e ONGs que trabalham com pessoas em situação de vulnerabilidade social.

“NAU foi feito para repensar a lógica da narrativa da história a partir de personagens silenciados pelos documentos oficiais. É uma revisão necessária e que encontra brecha no que vivemos hoje, quando tantos grupos têm reivindicado seus espaços. Quando eu e Daniel idealizamos esse projeto não sabíamos que seria tão desafiador, não só pelo tempo que vivemos, mas também pela dificuldade de olharmos o outro lado da história. É a história do Brasil contada a partir da visão do colonizado, não do colonizador” – Thiago Romero

Com realização da Via Press Comunicação, Paula Hazin e Teatro da Queda, a montagem original conta com orientação cênica e supervisão de direção do ator da TV Globo Luiz Carlos Vasconcelos e da coreógrafa Ana Paula Bouzas, além de direção de produção de Paula Hazin. As canções foram compostas por Daniel Arcades e Filipe Mimoso – este último assina também a direção musical de NAU. Os efeitos especiais foram assinados por Vj Dexter e VJ Cayetano. Edeise Gomes assina a coreografia. O projeto foi selecionado pelo edital Fábrica de Musicais – Ano II, da Fundação Gregório de Mattos (FGM), Prefeitura Municipal de Salvador.

O projeto será completamente virtual, transmitido pelo site oficial, www.projetonau.art.br.

Cantor Edoux lança single “Afeminada” nas plataformas de streaming


edoux
Foto Victor Carvalho

 

“É com a música que eu emano força e orgulho de existirmos”.

É assim que o cantor baiano Edoux chega pra lançar o single “Afeminada”, trazendo a mensagem da aceitação e auto-valorização. O single está nas principais plataformas de streaming (Spotify, Deezer, iTunes, YouTube Music e Amazon Music), uma experiência musical com raízes no groove baiano e a fusão rítmica do pop, pagode e arrocha.

Com vocais sensuais e diretos, a música e o videoclipe ‘Afeminada’ transportam o público para o universo do cabaré e da conga.

Para Edoux, o novo trabalho afirma o seu entendimento e reconhecimento do eu artístico por completo. A minha compreensão de quem sou é tudo isso que ‘Afeminada’ traz, e mais um universo de possibilidades. Esse primeiro trabalho é um processo de reconhecimento de minhas raízes e história de vida”, completa o artista.

Sobre Edoux

Nascido na Bahia, Edoux é homem preto, gay, com raízes soteropolitanas. Traz a força da nova geração, combinada com canções que incitam a reflexão acerca de temas sobre suas vivências, comunidade negra, diversidade e LGBTQIA+.

Sua carreira musical começou quando, em uma situação, precisaram de uma voz masculina para compor a banda de formatura no 3º ano do ensino médio, em 2013. Edoux, que nunca havia se apresentado em público, estreou como artista no teatro Diplomata (em Salvador) lotado, cantando uma das artistas mais importantes da MPB, Elis Regina. Após a primeira apresentação, recebeu elogios e, assim, seguiu com a banda da formatura, formada por colegas de sala, durante três anos como cantor principal.

 

João do Pé de Feijão, musical do Coletivo4, estreia temporada virtual em animação 2D


 

joao-pe-de-feijao

O Coletivo4 estreia o musical João do Pé de Feijão, uma releitura do clássico infantil de Joseph Jacobs. A montagem, que tem direção musical de Alex Mesquita, traz reflexões acerca dos sonhos e das dificuldades encontradas para alcançá-los. No espetáculo, as crianças têm a oportunidade de rever e ressignificar a história do João do pé de feijão, em princípio já conhecida de todos; de fantasiar sobre pessoas muito parecidas com elas e com suas mães, pais e/ou responsáveis.

A temporada online será através do YouTube do Coletivo, a partir das 14h do dia 19 a 27 de agosto. O espetáculo, primeiro musical criado pelo grupo, em 2015, retorna em novo formato: um musical híbrido que mescla teatro e animação motion (2D).  além de contar com um prólogo no qual todos os artistas relembram o processo inicial da peça animada.

O espetáculo tem no elenco Jarbas Oliver, Diogo Lopes Filho, Alexandre Moreira, Carlos Eduardo Santos, Fernanda Paquelet , Marília Castro, Igor Epifânio, Roberto Montenegro e Luiz Pepeu.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

De Candeias, banda CongaGroove lança EP “Balançar”


CongaGroove

 

A banda CongaGroove lança – direto de Candeias – no próximo dia 14 (sábado), seu mais novo projeto: o EP “Balançar”.  Ao juntar elementos de diversos estilos como o trap, pagode eletrônico, samba reggae, afoxé e axé music, os integrantes Lippeh, Frank e Marve BigHead deram vida ao disco que mistura dança e protesto.

“A militância faz parte da nossa essência e poder curtir, celebrar, é uma revolução. Antes só entrávamos onde diziam que poderíamos, mas agora temos a liberdade de escolher, o poder de dizer sim e não, pegamos nosso potencial e externamos. A nossa ideia com esse disco é levar alegria e diversão para as pessoas e aquela lembrança gostosa das festas de largo”, destaca o cantor e compositor Lippeh.

Ficha Técnica EP “Balançar”
Felipe Silva (Lippeh) Vocalista/compositor
Tarcisio Franco (Frank): Vocalista/compositor e percussionista
Claudivan de Souza Porto (Marve BigHead): DJ e Produtor musical

Ouça CongaGroove

Nildes Sena é a convidada do 2º episódio da websérie musical Cocriadoras convida


Cocriadoras_Nildes

No próximo dia 13/08, às 21h, acontece o lançamento do segundo episódio da websérie Cocriadoras convida. Desta vez, Nildes Sena e Cocriadoras abordam a força das palavras, da Capoeira Angola e da performance Drag King para falar de temas como violência, ancestralidade negra e história das mulheres.

A convidada da vez é Nildes Sena (Cruz das Almas/ Camaçari), mulher negra, artista plástica, atriz, bonequeira, escritora, educadora social e Mestra em Crítica da Cultura.

O primeiro episódio, com Tereza Raquel, já está disponível e pode ser visto na íntegra no Youtube Cocriadoras. O terceiro e último episódio desta edição convida a banda Panteras Negras e tem previsão de lançamento ainda para agosto.Cocriadoras Convida é um projeto da dupla Cocriadoras, composta por Gabri Ela e Ive Farias. A websérie musical convida artivistas que atuam na roça e na capital baiana para compartilhar canções, obras autorais e diálogos urgentes.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Abertas inscrições para oficinas do projeto Cultura e Esporte Para todos


 

O projeto Cultura e Esporte Para Todos, idealizado pelo Barracão das Artes e desenvolvido em parceria com a Associação Lar Joana Angélica, está com inscrições abertas até 30 de agosto para oficinas gratuitas de artes e esportes – dança, teatro, artes circenses, música, karatê, boxe, capoeira, artesanato e customização -, a serem realizadas em 09 bairros e 02 ilhas de Salvador (Ilha de Maré e Bom Jesus dos Passos).

Com três anos de duração (2021 – 2023), as oficinas buscam beneficiar crianças (06 a 12 anos), adolescentes (13 a 17 anos), jovens (18 a 21 anos) e idosos (a partir de 60 anos). O público deve  se inscrever presencialmente nos espaços culturais e comunitários dos bairros e através de formulário online. Para as pessoas menores de 18 anos, é necessário a presença de responsável (pai ou mãe) e que o mesmo tenha o NIS (número de inscrição social). Para os idosos a partir de 60 anos, também é importante ter o NIS.

Endereços dos espaços do Projeto CULTURA E ESPORTE PARA TODOS – SCFV

Espaço Cena Um

Endereço: Rua Afrânio Peixoto, 53, Coutos

Centro Social Urbano, Federação

Endereço: Segunda travessa Pedro Gama, Federação, s/n

Cabana do Bogary

Endereço: Av. Beira Mar, 440 – Ribeira, Salvador – BA

Conjunto Mirantes do Bomfim

Endereço: Conjunto Mirantes do Bomfim, Bomfim, Baixa do Bomfim

Centro de Artes Esportes Unificados

Endereço: Rua B, Caminho 13, Conjunto Lagoa da Paixão

Associação Cultural de amigos e moradores do Lobato

Endereço: Rua Aterro do Joanes, quadra 22, lote 18

Biblioteca comunitária Sete de Abril

Endereço: Rua Felícia, nº8, próximo ao Posto Médico, Sete de Abril

Associação Lar Joana Angélica

Endereço: Rua das Laranjeiras, 13, Boca da Mata de Valéria

Associação Bom Samaritano

Endereço: Rua das Bananeiras, Plataforma

ESCOLA POPULAR NOVOS ALAGADOS

Travessa Nova Esperança, 01, São João do Cabrito

Barracão das Artes

Endereço: Rua Barechal Gabriel Botafogo, s/n, Forte do Barbalho

Endereço: Ilha de Bom Jesus

Em definição do espaço

Ilha de Maré

Capela Nossa Senhora Santana(Customização)

Endereço: Rua da Praia, Santana,Ilha de Maré

Escola Municipal de Ilha de Maré (Boxe e Capoeira)

Rua da Caieira, S/N – Praia Grande, Ilha de Maré