Culinária Musical encerra temporada com Adelmo Casé e Dão


 

dão anderson
Dão – Divulgação

 

Neste dia 31 (sábado), encerrando a temporada do projeto Culinária Musical, Jorge Washington convida os cantores Adelmo Casé e Dão para embalar o público com diversos ritmos. A literatura será por conta da escritora Mel Adún, que lançará seu livro de contos “Peixe fora da baía” e do jornalista e escritor, Ricardo Ishmael, que fará uma resenha do seu novo livro “O Menino de Asas Invisíveis”. E pra almoçar: Moqueca de Carne (R$60) a porção pra duas pessoas.

“Foi uma grande celebração este mês, completando as 16 edições do Culinária no edital de Ocupação e Dinamização dos Espaços Culturais da FGM. Até virtualmente o projeto se consagra, com mais de 3600 acessos desde janeiro quando começamos este ano. Só agradecer e trabalhar pra continuar o projeto com mais novidades e emoções”, diz o Afrochefe.

Adelmo Casé

Quem quiser almoçar a Moqueca de Carne neste dia, poderá encomendar com Jorge, por telefone. A entrega conta com taxa de entrega. Pedidos até as 10h serão entregues até as 12h. Já pedidos feitos após as 10h serão entregues após a transmissão ao vivo do Culinária, que começa às 12h.

Edital – O projeto Culinária Musical, idealizado pelo afrochefe Jorge Washington,  com gestão de projeto da Simples Produções e produção da Mil Produções, foi contemplado pelo edital de Ocupação e Dinamização dos Espaços Culturais da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador para ocupar a Casa do Benin até julho de 2021.

 

SERVIÇO

Quando: 31/7 (sábado – 12h)

Onde: Youtube da Casa do Benin

Quanto: encomendas são de uma porção para duas pessoas; pedidos pelo zap do Afrochefe 71 99332-7096.

 

Ator Leno Sacramento lança livro “Para Desgraça – uma quarta para não esquecer”


leno-sacramento
Foto: Rodrigo Veloso/Divulgação)

 

O ator do Bando de Teatro Olodum, Leno Sacramento, lança nesta quarta-feira (28), seu primeiro livro, “Para Desgraça – uma quarta para não esquecer”. O livro será lançado pelo instagram do ator @lenosacramento e terá participações de Cássia Valle (BA), Valdinéia Soriano (BA), Nelson Maca (BA), Netto Duarte (SP), Ni Brisant (editor SP).

“Começar um livro com PARA DESGRAÇA é algo fora dos padrões de comunicação, mas PARA DESGRAÇA foi a frase que antecedeu o tiro que transpassou a minha perna de um lado ao outro. Nesse livro eu denuncio esse triste episódio da minha vida, mas também falo de poesia, família, e arte, que nesse caso imitou a vida, a minha vida”, diz  Leno Sacramento.

O episódio trata-se de uma abordagem policial sofrida pelo ator em junho de 2018, quando foi baleado em uma das pernas no Centro de Salvador. Na ocasião, Leno estava passando de bicicleta próximo ao Forte de São Pedro, quando foi atingido de raspão por um tiro disparado por um policial civil à paisana, que realizava perseguição a suspeitos de roubo.

“Um livro de memórias pungente, este relato impressionante vai permanecer com os leitores muito tempo depois que a última página for virada. Uma narração detalhada e implacável, escrita com mão firme incisiva e impregnada de uma dor discreta”, diz Cássia Valle, escritora e também atriz do Bando.

Serviço:

O quê: lançamento do livro “Para Desgraça – uma quarta para não esquecer”, de Leno Sacramento.

Quando: 28/07/2021, 20h

Onde: live instagram @lenosacramento

Coletivo Afrobapho abre inscrições gratuitas para imersões artísticas do projeto AFROBAPHOLab


Foto Edgar Azevedo

O Coletivo Afrobapho está com inscrições gratuitas na plataforma Sympla para imersões artísticas que acontecerão nos dias 14 e 15 de agosto. Serão 6 imersões voltadas para os eixos de dança, música e performance,  com 50 vagas limitadas para cada aula. 

Serão as imersões:

Dança serão explorados estilos como “Stiletto” (com Elivan Nascimento) e “Vogue Dance” (com Lu Montty).

Música serão exploradas as técnicas criativas para composição e melodia, com Sued Hosaná e Felipe Salutari (As Mambas)

Performance (maquiagem artística e expressão corporal) serão exploradas a construção de personas, personagens ou estados performáticos, através de técnicas em maquiagem, indumentária, body modification e performance, com Malayka SN e Kaiakan.

Esta é a terceira entrega do projeto AFROBAPHOLab patrocinado pela Natura Musical e Governo da Bahia, através do Fazcultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda.

“O AFROBAPHOLab é um projeto muito relevante para a produção cultural e artística independente na Bahia, é a primeira validação do nosso potencial enquanto fazedores culturais a nível nacional. Temos seis anos de trajetória, com boa parte dela sendo invisibilizada pelo monopólio branco e heteronormativo nas ações de cultura da Bahia. Nos fortalecemos para disputar essas narrativas de grandes editais de incentivo à cultura e arte, pois queremos mostrar que corpos dissidentes estão para além de atrações mal pagas, mas também criam e produzem novas formas de fazer cultura. Dessa forma, o AfrobaphoLab nada mais é que um primeiro passo para demarcarmos o nosso lugar e visibilizarmos outros artistas negros e LGBTIA+ que resistem à falta de investimento, sendo independentes. Mais do que nunca, acreditamos que o AfrobaphoLab é apenas um pontapé para um movimento de renovação no que se refere à produção cultural e artística na Bahia e no Brasil!”, afirma Alan Costa, fundador do coletivo.

SERVIÇO

Imersões Artísticas

Quando: 14 e 15 de agosto 

Quanto: gratuito

Inscrições: Até 10/8 https://linktr.ee/afrobapholab 

Programação completa AfroBaphoLab: http://www.afrobapho.com.br

Outras informações: https://www.instagram.com/afrobaphooficial/ 

#25JUL – Arte de mulheres negras sofre grande impacto com a pandemia


Deise Fatuma | Foto Lumena Aleluia

 

Sendo o setor que primeiro sofreu as limitações impostas pela pandemia, a Cultura tem sido um espaço de transformação desde março de 2020. E pelo que se prevê, será o último setor retomar sua normalidade. Um “novo normal” vem sendo imposto nessa área, levando para o virtual muitas de suas realizações, uma vez que casas de espetáculos, museus, teatros, bares e muitos outros espaços culturais fecharam ou reduziram seu funcionamento. Para artistas negras, em especial as que dependem da arte, essa realidade vem sendo mais impactante.

“A pandemia, infelizmente, agravou a desigualdade social, colocando as mulheres negras num abismo devastador. No que se refere ao campo da cultura, não foi diferente pra quem trabalha nesta cadeia produtiva direta e indiretamente. Eu sou percussionista e vi minha agenda fechada durante o ano de 2020 sendo cancelada. Além dos shows pelo Brasil, tinha turnê na Europa e shows nos EUA. Consequentemente, os sonhos foram adiados. Mas quem vive exclusivamente da cultura tem sentido os efeitos muito mais agudos, corrosivos, provocados pela pandemia”, diz a percussionista Deise Fatuma que participou da live “Mulheres negras em defesa da vida: Resistência histórica e enfrentamento à pandemia”, realizada pela  Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi).

Segundo pesquisa “Impactos da Covid-19 na Economia Criativa”, do Observatório da Economia Criativa Bahia (OBEC-BA), 79,3% dos respondentes cancelaram entre 50% e 100% de suas atividades em abril. Em maio, esse percentual foi de 77,4%. Até o mês de março, a maioria (80,7% dos respondentes) não possuía vínculo empregatício formal, recebia até 3 salários mínimos (71,3%) e possuía alta carga horária de trabalho (31,5% trabalham mais de 45h semanais). O estudo foi divulgado em setembro de 2020 e contou com a participação de 2,6 mil respondentes de diversos estados do país.

Para as artistas negras, há ainda um fator mais preponderante neste impacto: “As mulheres negras que vivem dessa cadeia produtiva, produzem uma arte fora desse padrão aceitável pela branquitude, fora do mercado fonográfico. Nesse sentido, somos marcadas por opressão e exploração interseccional. Nós estamos longe das marcas dos grandes patrocinadores que geralmente tem homens brancos no poder. Artistas brancos ricos continuaram a ganhar dinheiro na pandemia, diferente de quem faz uma arte engajada, feminista e negra”, diz Deise, que também é assistente social.

Políticas públicas afirmativas e editais tonam-se essenciais para a sobrevivência destas artistas. “A Lei Aldir Blanc foi um suspiro, e conseguiu engendrar editais que entendessem cada realidade de grupos de mulheres negras que sobrevivem das artes, dando muitas oportunidades. Então, o caminho é que mais editais sejam construídos refletindo a realidade das artistas negras”, lembra Deise, que é percussionista da Banda Panteras Negras, primeira banda instrumental formada por mulheres  lgbtqia+ no mundo.

Para atender esta demanda, nos editais gerenciados pelo Governo do Estado da Bahia, um decreto determinou que 50% dos recursos vinculados à Lei Aldir Blanc, no estado, fossem destinados a grupos de manifestação cultural da população negra, fruto da mobilização de artistas negros e negras. Nos editais do Prêmio das Artes Jorge Portugal e Prêmio de Exibição Audiovisual, gerenciados pela Fundação Cultural do Estado (Funceb/SecultBA), por exemplo, além das cotas, tiveram ainda indutores de gênero que garantiram pontuação extra em projetos propostos por mulheres.

“Veja, a cultura é tão imprescindível como a saúde, educação, assistência social, e não tem essa legitimidade enquanto política pública. Infelizmente, nós que fazemos parte dessa cadeia produtiva cultural seremos as últimas a voltar a fazer shows ao modo que a gente gosta. A cultura tem salvado as pessoas da depressão, do adoecimento mental, das crises de ansiedade, mas infelizmente não tem a valorização ideal”, pontua Deise Fatuma.

Conheça a Banda Panteras Negras

Assista abaixo live realizada pela Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) em homenagem ao Mês da Mulher Negra:

 

Em clipe com Jorjão Bafafé, Xauim homenageia artistas negros


O cantor e compositor baiano Xauim traz o protagonismo afro em sua canção ‘Meu Caminho’, que ganha um clipe que será lançado nesta sexta (23), no canal do artista no YouTube. Com participação de Jorjão Bafafé, do afoxé Badauê, o feat integra ‘Flutuântico’, álbum lançado em junho. Xauim assina o roteiro e a direção do audiovisual.

“É uma homenagem a esses artistas negros, que são símbolos. Pessoas que subverteram suas realidades por meio da música, do sacerdócio da arte. Porque grande parte da indústria musical ocidental tem vanguardismo e origem afro”, diz Xauim.

Entre outros artistas, são lembrados o rapper Sabotage e a cantora Elza Soares, com referência também a Gilberto Gil e Carlinhos Brown, mas principalmente, ao afoxé Badauê, que sustenta não só tambores e atabaques, mas também o refrão.

Um dos fundadores do grupo, ao lado de Moa do Katendê, Jorjão Bafafé celebra a parceria.

“Foi uma surpresa fazer parte disso. É muito importante ter essa vivência com Xauim, que é um cara com letras inteligentes. Sou muito grato. Mexeu com minhas emoções, porque o Badauê é minha história, onde comecei”, lembra, ao reforçar que a troca de experiências com quem vem depois e tem algo novo para contar – ou cantar – é o mesmo que “ganhar o universo”, diz.

Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Enecult) acontece online este mês


 

Foto Marco Correia

 

Enecult – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura chega em sua 17ª edição entre os dias 27 e 30 de julho de 2021. Cerca de 1,5 mil pesquisadores de todo o Brasil e de outros países vão participar dos quatro dias da programação. Serão 15 mesas, três Diálogos Emergentes, apresentações de artigos em um dos 20 grupos de trabalho e atividades culturais – que incluem mostra audiovisual e lançamento de livros.

O público também vai poder acompanhar as quatro mesas especiais: “A Cultura na encruzilhada”, “Impactos da Covid-19 na Cultura: avaliação da Lei Aldir Blanc”, “Brilho e Resistência – Mesa em homenagem à Baga de Bagaceira” e “Cultura: entre a lida e a vida”. O encontro terá formato online e as transmissões das mesas e atrações culturais, todas abertas ao público e com tradução em libras, serão feitas pelo canal do YouTube (youtube.com/enecult) e página no Facebook (@grupocult).

O Enecult é promovido pelo Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

 

SERVIÇO:

XVII Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Enecult)

Quando: 27 a 30 de julho de 2021, terça a sexta-feira

Quanto: Gratuito e aberto ao público. Para quem desejar receber certificado, a inscrição pode ser feita até 20 de julho no enecult.ufba.br e custa R$ 20.

Transmissões de mesas online: YouTube (youtube.com/enecult) e Facebook (@grupocult).

Programação: http://www.cult.ufba.br/enecult

Culinária Musical homenageia Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha


O Afrochefe Jorge Washington prepara um grande encontro de mulheres negras em sua edição especial no mês que se celebra o Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha – 25 de julho. Será neste sábado (24), a partir das 12h no Youtube da Casa do Benin. A apresentação do encontro ficará a cargo da atriz Edvana Carvalho.

A música será por conta da grande parceira do projeto, a cantora Denise Correia, que apresentará um repertório enaltecendo as mulheres negras, junto à soprano, Irma Ferreira. Terá ainda apresentação poética de Cláudia Santos, Eliane Marques, Elizandra Souza, Rita Santana, poetas que estão na coletânea Quilombellas Amefricanas, recentemente lançada pela Editora Ogum’s Toques.

Dra. Bárbara Carine

 

E mais, o Afrochefe vai bater um papo com a Dra. Bárbara Carine sobre o livro “Estória Preta das Coisas. 50 Invenções Científico-Tecnológicas de Pessoas Negras”. O cardápio do dia será o tradicional Sarapatel do Afrochefe (R$ 60/ 2 pessoas).

Pedidos até as 10h serão entregues até as 12h. Já pedidos feitos após as 10h serão entregues após a transmissão ao vivo do Culinária.

Edital – O projeto Culinária Musical, idealizado pelo afrochefe Jorge Washington,  com gestão de projeto da Simples Produções e produção da Mil Produções, foi contemplado pelo edital de Ocupação e Dinamização dos Espaços Culturais da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador para ocupar a Casa do Benin até junho de 2021.

 

irma_ferreira
Irma Ferreira

SERVIÇO

Quando: 24/7 (sábado – 12h)

Onde: Youtube da Casa do Benin

Quanto: encomendas são de uma porção para duas pessoas; pedidos pelo zap do Afrochefe 71 99332-7096.

Museu Digital das Baianas seá lançado nesta quarta (21)


Foto Dôra Almeida

 

Com público restrito e respeitando todos os protocolos de segurança, o projeto “Histórias, Memórias e Acervos do Memorial das Baianas de Acarajé” entregará nesta quarta-feira (21), às 14h, na sede da Associação das Baianas de Acarajé (ABAM), no Pelourinho, o primeiro Museu Digital das Baianas, contendo registros documentais e iconográficos sobre o ofício das baianas, seu legado ancestral e histórico.

Na oportunidade, o Grupo Cultural Ska Reggae, em parceria com a ABAM, promoverá uma solenidade para instalação da obra do artesão Zaca Oliveira – A Super Baiana de Acarajé, em frente ao Memorial das Baianas, na Praça da Cruz Caída, no Pelourinho.

O evento presencial será restrito, mas poderá ser acompanhado através da transmissão ao vivo e gratuita no canal oficial do youtube da Associação das Baianas (ABAM). 

 

Encontro Periférico de Artes chega a 4ª edição em formato virtual


Foto: Shai Andrade

 

Encontro Periférico de Artes (EPA!) chega a sua 4ª edição com atividades virtuais através das plataformas YouTube, Instagram e Zoom.  Entre os dias 28 de julho e 01 de agosto, o EPA! reunirá nomes como Bia Ferreira, Ilê Aiyê, Vandal, Mr. Armeng, o grupo de dança de pagode BTL- Balé Tome Love do bairro de Sete de Abril, e muito mais.

Nesta 4ª edição, o festival traz artistas da Bahia, São Paulo, Minas Gerais e Paraná, oferecendo ao público uma extensa programação, com mostras de espetáculos, oficinas, rodas de conversa, exposições, performances, audiovisual e, em destaque, a batalha do pagode baiano.

 

“O esforço coletivo é o oxigênio que faz do EPA! uma realidade. Para isso, contamos com o incentivo pessoal de cada artista negro que acredita na união da nossa pluralidade cultural e artística, e juntos nos fortalecemos como importante instrumento para valorização das diversas manifestações artísticas que realizamos”, completa a bailarina e produtora cultural, Inah Irenam, idealizadora e diretora geral.

Realizado pela ExperimentandoNus Cia de Dança, que vem atuando e produzindo dança de forma independente e ininterrupta há 13 anos, o Encontro Periférico de Artes é um projeto contemplado pelo Edital Gregórios – Ano II, da Fundação Gregório de Matos, Prefeitura de Salvador.

 

Foto Alberto Lima

 

Confira a programação completa do EPA! 2021

Dia 28/07

12h | Abertura Oficial | Palestra O FUTURO É UMA ATITUDE com Vandal (BA) | Local: YouTube EPA e Instagram @epa.ba

15h | Show com Irma Ferreira (BA) | Local: YouTube EPA

15h15 | Espetáculo de Dança “Di-Quebrada”, ExperimentandoNUS Cia de Dança (BA) | Local: YouTube EPA

20h | Reprise da programação | Local: YouTube EPA

Dia 29/07

09h | Oficina Experimento negras utopias: construindo danças e escritas poéticas (in) possíveis, com Bruno Novais e Eduardo Guimarães (SP) | Local: Plataforma Zoom

10h | Poesia, com o grupo E² (E ao Quadrado) | Local: Instagram @epa.ba

15h | Show | Ilê Aiyê (BA) | Local: YouTube EPA

15h15 | Show Projeto Samba & Poesia | Fabrícia de Jesus (BA) | Local: YouTube EPA

15h25 | Quadrilha Junina Germe da Era (BA) | Local: YouTube EPA

20h | Reprise da programação | Local: YouTube EPA

Dia 30/07

9h | Espetáculo de Malabares, Jéssica Borges (BA) | Local: Instagram @epa.ba

10h | Oficina de textos poéticos “quem são meus mais velhos?”, com Ana Fátima (BA) | Local: Plataforma Zoom

10h30 | Poesia com Negro Roh (BA) | Local: Instagram @epa.ba

15h | ARÊ, Entre contos Iorubás, com Nildes Sena (BA) | Local: YouTube EPA

15h15 | Relações Invisíveis, com Jocélia Freire e Alisson George (BA) | Local: YouTube EPA

15h30 | Balé Tome Love – BTL (BA) | Local: YouTube EPA

15h45 | Não quero Boca Torta, com Dayana Brito (MG) | Local: YouTube EPA

19h | Palestra É SOBRE NÓS!, com Bia Ferreira (MG) | Local: YouTube EPA

Dia 31/07

9h | Poesia com Maiara Silva (BA) | Local: Instagram @epa.ba

9h | Oficina de Colagem, com Del Nunes (BA) | Local: Plataforma Zoom

10h | Oficina de Stencil, com Ramses Stencil (BA) | Local: Plataforma Zoom

11h | Oficina Aí meu quadril, com Raina Santos (BA) | Local: Plataforma Zoom

15h | Poesia na Varanda, com Pareta (BA) | Local: Instagram @epa.ba

19h | Show com Mr. Armeng (BA) | Local: YouTube EPA

Dia 01/08

12h | Feijoada da Bri Delivery (BA) | Local: Instagram @epa.ba

15h | Batalha de Pagode Baiano | Local: YouTube EPA

 

Ajeum da Diáspora reabre celebrando o Julho das Pretas


Angélica Moreira

 

O Ajeum da Diáspora, projeto de etnogastromia que preserva a culinária africana e afro-brasileira, volta a abrir suas portas no bairro do Tororó, em Salvador, nos dias 24 e 25 de Julho. Um cardápio especial está sendo preparado para a reabertura.

 

 “É uma prazer muito grande poder voltar a receber meus clientes, parceiros e amigos e servir essas maravilhas da nossa culinária ancestral”, ressaltou Angélica Moreira idealizadora e anfitriã. Em 25 de Julho comemoramos o Dia da Mulher Afro-Latino Americana e Caribenha e eu não poderia escolher uma data mais especial”, comentou.

Quer chegar lá? 

 

Os interessados em conferir o cardápio e garantir um lugar  nessa reabertura devem efetuar suas reservas, pois o espaço é limitado.

Serviço:

O quê: Ajeum da Diáspora

Quando: 24 e 25 de Julho, a partir das 13h

Onde: Rua Amparo do Tororó, 157, Tororó

Redes sociais: @ajeumdadiaspora

Email: [email protected]

Contato: (71)991608933