Zumví Arquivo Afro Fotográfico lança campanha de financiamento coletivo e Catálogo Virtual


zumvi-acervo-fotografia-negra
Manifestação contra genocídio no Afoxé Kori-Efan. Ano. 2019. Foto. Lázaro Roberto

 

Um Quilombo Visual é como se define o acervo do Zumví Arquivo Afro Fotográfico, com cerca de 30 mil imagens da memória imagética dos grupos sociais negros, reunidas em 30 anos de existência e resistência. No próximo 09 de julho, o Zumví lançará um Matchfounding, campanha de financiamento coletivo, e um Catálogo Virtual com 100 fotografias, que traz um registro amplo da cultura afro-brasileira, divididas em 25 temáticas, entre elas: Artistas Negros, Blocos Afros, Blocos de Índios, Festas Populares, LGBTQIA+, Movimentos Sociais, Movimento de Mulheres Negras, Religiosidade, Universo Reggae, entre outras.

O catálogo está disponível no site www.zumvi.com.br para o público e para pesquisa e as fotos também podem ser compradas individualmente.

Matchfounding Enfrente é uma ação emergencial para empreendedores das periferias feita pela Benfeitoria para micro e pequenos negócios impactados pela pandemia. O Zumví foi um dos projetos selecionados que receberão suporte para preparar uma campanha de arrecadação para mobilizar o coletivo, onde a cada R$ 1,00 colaborado, o Fundo Enfrente investirá mais R$2,00.

Zumví tem o objetivo de montar a infraestrutura, em sua sede, para preservação dos fotogramas e exposição das fotografias, e comprar mobiliário para guardar os equipamentos. As recompensas vão de R$25,00 a R$ 500,00, tendo entre os brindes: 01 fotografia impressa em fine art 20 x 30 (com assinatura do autor), 01 camiseta do Zumví, 01 coleção de 10 postais com fotos do acervo, entre outros. Quem quiser ser um apoiador, basta entrar no www.benfeitoria.com/apoieozumvi  e contribuir com o que puder, o importante é manter a memória da cultura afro-brasileira.

O Catálogo tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Livro biográfico sobre Mãe Baratinha de Oxum é lançado online


Mãe Baratinha de Oxum

“A menina das Águas – Vida, memória e ensinamentos de Mãe Baratinha de Oxum”. É o titulo da biografia sobre a vida e obra da Ialorixá Mãe Baratinha de Oxum, que será lançada ao vivo pelo Instagram e Facebook no dia 10 de julho, às 14h.

Narrado por sua filha de santo, Egbomi Cátia Virgínia, o livro conta sobre a infância de Galdina Silva, conhecida como Mãe Baratinha de Oxum, sua iniciação no candomblé, a fundação do Ilé Kaió Alaketu Asè Oxum no bairro Alto do Rosarinho e sua relação com a roça-mãe. O livro também aborda o trabalho sócio-cultural, de acolhimento e educação desenvolvido pela Yalorixá e seu legado para o povo de santo.

A live será realizada pelo Instagram  @menina_dasaguas  e  Facebook 

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Sobre a autora

Cátia Virgínia de Melo Souza, conhecida como Egbomi Cátia, nasceu na cidade de Muritiba-BA e é Yalorixá iniciada no axé há 42 anos. A biografia é um sonho antigo da autora e foi escrita como uma forma de homenagear, preservar e agradecer pelos ensinamentos deixados por sua mãe de santo.

Iane Gonzaga lança Ep”Territoriamente” com canções autorais sobre vivências como mulher preta


Foto Camila Brito

 

A cantora Iane Gonzaga lança seu primeiro EP Territoriamente. No álbum Iane canta cinco músicas autorais: “Colé de Mermo”, “Euforia”, “Meu Bem”, “Sensação de Desejo” e “Amanheceu” e interpreta a canção inédita “Zabumba meu Boi” de autoria do baiano Valter Tonhá.

Em suas músicas, Iane nos apresenta obras que versam sobre as relações entre corpos e territórios, lugares e suas linguagens, sensações, desejos, relacionamentos e memórias vivenciadas. As canções estão aterradas em sonoridades afrodiaspóricas, firmadas no samba, ijexá e no reggae. “Territóriamente celebra a importância de acreditar em si, ouvir as intuições e vibrar nossas existências”, afirma a cantora.

O EP estará disponível em todas as plataformas a partir do dia 09 de julho na Bio do instagram  @iane.gonzaga.

O projeto conta com apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

SERVIÇO

O que: Lançamento do EP  “Territóriamente” de Iane Gonzaga

Quando: 09 de julho

Disponível em todas as plataformas

Pré-Save: https://musequal.ffm.to/territoriamente

Instagram: @iane.gonzaga

 

 

 

 

Márcia Short aborda a musicalidade negra feminina na websérie “Papo de Arte Negra”


Foto Canto do Galo Filmes

 

Em seis episódios, a cantora Márcia Short aborda a musicalidade negra feminina na Bahia. A  websérie “Papo de Arte Negra” tem estreia prevista para o dia 11 de julho, e será exibida sempre às 19h no canal da cantora no YouTube.

O projeto cria espaço para as reflexões de uma artista negra com mais de 30 anos de carreira e vai além do fazer artístico ao refletir a trajetória de outras tantas artistas baianas negras.

Márcia Short falará de suas experiências e traz Lazzo Matumbi como artista convidado. Márcia Short explora a perspectiva como artista, e ao longo de cada episódio da websérie, ficam evidenciadas as dinâmicas da produção musical brasileira e seu funcionamento com base em noções de gênero, raça, região e regionalismo.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Culinária Musical de julho terá quatro encontros online


 

Lari Lima

 

O projeto Culinária Musical do ator, produtor e Afrochefe Jorge Washington estreou no formato online este ano por conta da pandemia que limita realização de eventos em todo estado. Se antes da pandemia o sucesso já era grande de público, virtualmente o Culinária também manteve a boa audiência. São mais de 3.600 acessos desde a primeira edição em janeiro.

Neste mês serão quatro encontros: 10, 17, 24 e 31 de julho, direto do Youtube da Casa do Benin, com uma vasta programação artística, apresentada pelo ator Fábio de Santana.

No primeiro sábado (10), o Culinária receberá a o cantor Roberto Mendes, e a cantora convidada será Virgínia Rodrigues, que cuidarão da trilha sonora a partir das 12h. O momento também será da Literatura Negra, com o escritor Evandro Nunes, que vai lançar o livro “O Teatro Negro e Atitude no Tempo”. No cardápio do dia, o Afrochefe fará seu famoso Bacalhau a Martelo, que poderá ser encomendado pelo público por R$70 – a porção pra duas pessoas.

virginia-rodrigues
Virgínia Rodrigues

 

No sábado seguinte (17), no mesmo horário, o almoço será uma especial Moqueca de Fato (R$ 60) – também porção pra duas pessoas. Já o encontro musical será com o cantor e compositor Alexandre Leão, que vai dividir a tela com a cantora Lari Lima, direto de Aracaju.

No dia 24, em homenagem ao Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha (25/7), o Culinária trará uma grande parceira do projeto, a cantora Denise Correia, que apresentará um repertório enaltecendo as mulheres negras, junto à soprano Irma Ferreira. Neste dia, o apresentador Fábio de Santana dará lugar à atriz Edvana Carvalho na apresentação. Terá ainda apresentação poética de Cláudia Santos, Eliane Marques, Elizandra Souza, Rita Santana, poetas que estão na coletânea Quilombellas Amefricanas, recentemente lançada pela Editora Ogum’s Toques. E mais, o Afrochefe vai bater um papo com a Dra. Bárbara Carine sobre o livro “Estória Preta das Coisas. 50 Invenções Científico-Tecnológicas de Pessoas Negras”. O cardápio do dia será o tradicional Sarapatel do Afrochefe (R$ 60/ 2 pessoas).

Dão

 

No dia 31, encerrando a edição de julho, Jorge Washington convida os cantores Adelmo Casé Dão para embalarem o público com diversos ritmos. A poesia será por conta de Mel Adún, que lançará seu livro de contos “Peixe fora da baía”. E pra almoçar: Moqueca de Carne (R$60) a porção pra duas pessoas.

Todas as encomendas contam com taxa de entrega. Em todos os dias, pedidos até as 10h serão entregues até as 12h. Já pedidos feitos após as 10h serão entregues após a transmissão ao vivo do Culinária, que começa às 12h.

irma_ferreira
Irma Ferreira

Edital – O projeto Culinária Musical, idealizado pelo afrochefe Jorge Washington,  com gestão de projeto da Simples Produções e produção da Mil Produções, foi contemplado pelo edital de Ocupação e Dinamização dos Espaços Culturais da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador para ocupar a Casa do Benin até junho de 2021.

 

SERVIÇO

Quando: 10/7, 17/7, 24/7 e 31/07 (sábados – 12h)

Onde: Youtube da Casa do Benin

Quanto: encomendas são de uma porção para duas pessoas; pedidos pelo zap do Afrochefe 71 99332-7096.

Cantora Melly lançam single “Soul” e prepara EP “Azul”


 

Foto Edgar Azevedo

 

A cantora, de apenas 19 anos, Melly (pronúncia: Mê-lí), que já acumula mais de 50 composições, e o produtor musical Manigga lançam nesta sexta-feira (02/07), o single Soul, em todas as plataformas de música. A produção audiovisual, dirigida pelo olhar de Edgar Azevedo, estreia no mesmo dia no canal do Youtube NomadStudio, produtora do maestro desta canção, Manigga. 

Soul é sobre vivências de amor e medo, ritmadas com a potência do gênero norte-americano e as batidas da musicalidade baiana. É recomeço, é alma (tradução do inglês de soul). É a promessa de um R&B com B de Bahia.

Soul é uma composição a respeito de uma experiência pessoal sobre meu medo de me entregar total e sinceramente para alguém, apesar de todos os fatores e sentimentos envolvidos”, disse Melly.

A parceria Melly & Manigga lançará também, ainda em julho, o EP Azul. Soul é apenas o início desta conexão que promete trazer ainda mais perspectiva para a “Nova Bahia”. 

Nas plataformas de streaming, Melly tem seis faixas já publicadas, a exemplo de (In)Verdade, que acumula mais de 50 mil visualizações no YouTube.

Sulivã bispo lança espetáculo gravado na sede do Ilê, no Curuzu


Doú-Alabá-Suliva-Bispo

O público vai conhecer a histórias dos personagens Edileusa e Claudionor, através do olhar ficcional dos erês, que vão falar da sua saudade do tempo de “vir em terra”, comer caruru e brincar no terreiro. A montagem inovadora, traz o estilo vídeo arte, e conta o cotidiano das novas vidas de quem abandona suas raízes ancestrais.

A interpretação dessas divindades infantis será vivida por Natalyne Santos e Sulivã Bispo, sobre o que significa não respeitar a natureza e as tradições dos seus ancestrais.

Doú Alabá (os Erês) é um espetáculo que evidencia ainda conflitos das facilidades tecnológicas do mundo contemporâneo, onde muitas crianças negras se afastam de suas tradições afro-brasileiras, para imergir boa parte do tempo em culturas virtuais e midiáticas que em nada se assemelham com suas potências identitárias em diáspora, sobretudo desde 2020, quando as aulas também passaram a ser virtuais.

O espetáculo é dirigido por Ângelo Flávio Zuhale, ator, roteirista, dramaturgo e diretor.

suliva-bispo

Doú Alabá foi contemplado no Prêmio das Artes Jorge Portugal, e tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

O espetáculo será exibido no canal do Bloco Ilê Aiyê no Youtube, a partir do dia 05 de julho e fica disponível durante 7 dias na plataforma digital. Entre os dias 03 e 05 de julho serão realizadas lives no perfil do Instagram do ator Sulivã Bispo, sempre às 20h, com a participação de Rodrigo França, Babá Rodney William, e Iana Marucha cantora do Ilê, que teve sua formação musical na Banda Erê e fará uma live show.

SERVIÇO

O quê? 
Espetáculo Doú Alabá
Aonde? Canal do Bloco Ilê Aiyê no Youtube
Quando? De 5 a 11 de julho

Lives de lançamento
Instagram Sulivã Bispo @sulivabispo

Dia 05/07, às 20h com Iana Marucha, cantora da Banda Ilê Aiyê
Dia 07/07, às 20h com Rodrigo França
Dia 09/07, às 20h com Babá Rodney William

Denise Correia protagoniza o show “Afrodescendentes” no Youtube


A atriz e cantora Denise Correia vai protagonizar o show “Afrodescendentes”, dia 1º de julho, a partir das 20h, em seu canal no YouTube

A cantora, que neste novo trabalho estará acompanhada dos músicos Felipe Guedes (violão) e dos percussionistas Jean  Cerqueira e Dainho Xequerê, sob a direção musical de Levi Santos, traz no repertório toda a musicalidade negra, com canções  conhecidas do público e também autorais.

 

Você conhece Denise?

Denise Correia nasceu no Paraná, na cidade de Alvorada do Sul, e adotou Salvador desde 1988. A atriz é integrante da Arte Sintonia Companhia de Teatro. Participou de vários espetáculos musicais, sob a direção de Antônio Marques, e também atuou com outros diretores da cena teatral da capital baiana, como Fernando Guerreiro, Elísio Lopes Jr., Gil Vicente Tavares, Ângelo Flávio, Onisajé (Fernanda Júlia), Thiago Romero e Daniel Arcades. 

Na televisão, atuou na novela “Velho Chico”, da Rede Globo de Televisão, e fez parte do elenco dos filmes “Besouro”  e “Ada”. Ela também participou de séries como “Deu a Louca na Copa” e “Pequeno Gigante. Denise Correia é fundadora e vocalista da Banda Naveiadanêga e iniciou a carreira em festivais escolares na cidade onde nasceu, no Paraná.

Serviço

O que: Show “Afrodescendentes”

Quando: 1° de julho de 2021

Horário: 20h

Onde: Canal do YouTube de Denise Correia

 

Margareth Menezes reunirá novos nomes no Festival AfroPop


 

 

Vem aí o Festival AfroPop, on-line e gratuito, nos dias 10 e 11 de julho, às 19h, pelo YouTube. Terá também transmissão simultânea pela TVE Bahia, unindo artistas de diferentes gerações em um só palco.

Tendo como anfitriã a artista Margareth Menezes, o Festival AfroPop reúne nomes como Olodum, Dão, Panteras Negras feat Tulani Masai e Cronista do Morro. Margareth Menezes convida também Márcia Short para uma participação especial no primeiro dia de evento. Além dos shows musicais, o festival contará com participações em registros audiovisuais de depoimentos de grandes artistas brasileiros fundamentais na formação das referências afro-urbanas atuais.

“O AfroPop é um movimento que promove a beleza e a riqueza ancestral junto à contemporaneidade e que acolhe todos que lutam pela igualdade de direitos. É o abraço entre o tambor e o computador”, explica Margareth.

Realizado pela Giro Planejamento Cultural em parceria com a Pedra do Mar Produções, o Festival AfroPop tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal. O festival conta com apoio da TVE Bahia.

Serviço:
Festival AfroPop
Atrações: Margareth Menezes feat Márcia Short, Olodum, Dão, Panteras Negras feat Tulani Masai e Cronista do Morro
Data: 10 e 11 de julho de 2021 (sábado e domingo)
Horário: 19h
Exibição: YouTube Margareth Menezes (youtube.com/margarethmenezes), TVE Bahia (youtube.com/tvebahia) e pelo canal aberto de televisão TVE Bahia (canal 10).

Inscrições abertas para o 5º Slam Insubmisso, que será online


slam-insubimissos
Foto Lis Pedreira

 

Na 5ª edição, a primeira online, o Slam Insubmisso tem como tema a “Perspectivas futuras para mulheres negras nordestinas: Nossos passos vêm de longe e para onde vamos?”. O evento é uma parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo, faz parte da programação do Julho das Pretas e completa o ciclo de atividades propostas pelo Diálogos, focadas em protagonizar artistas da palavra, pretas e nordestinas.

“Idealizamos essa ação pensando em uma perspectiva geopolítica do conhecimento e da distribuição de recursos, que hoje não é igualitária. Quando chegamos no campo artístico isso se acentua, porque as produções nordestinas são referência para todo Brasil, porém poucas vezes fortalecidas e remuneradas. Então o Slam vem para fazer essa redistribuição”, pontua Dayse Sacramento, doutoranda e idealizadora do Diálogos Insubmissos. 

A premiação em dinheiro será financiada unicamente pelo Diálogos Insubmissos, R$ 1.000,00 para o 1º lugar, R$ 500,00 para o 2º lugar e R$ 300,00 para o 3º lugar. Dentre as outras premiações estão ter trabalhos divulgados em um e-book autoral ilustrado, produzido em português e inglês e participar de uma live artística de lançamento do e-book. 

As selecionadas ainda terão participação obrigatória nas Oficinas Insubmissas, de Escrevivências de mulheres negras: abordagens epistemológicas e insubmissas como perspectiva para letramentos crítico-literários com Manoela Barbosa e Palavra – Ritual: Evocação da escrita com Stella Carvalho,  09 e 14 de julho. 

Para participar do Slam Insubmisso

Para a competição todas as inscritas serão avaliadas pelo corpo de juradas, composto por Dayse Sacramento, Manuela Barbosa, Stella Carvalho. Dessas, 7 serão selecionadas para a 1ª fase, sendo a equidade entre os 9 estados do Nordeste um fator relevante nesta escolha. Apenas 5 batalham pelo pódio final.

A participação no Slam Insubmisso é gratuita e para o ato, as artistas deverão enviar um vídeo recitando uma poesia autoral, gravado na vertical com até três minutos. Além disso, informações solicitadas no formulário de inscrição, que podem ser consultadas em detalhes no edital do Slam Insubmisso 2021

 

Para se inscrever no Slam Insubmisso 2021. 

 

Cronograma 

 

05 de julho: Encerramento das inscrições

07 de julho: Divulgação das selecionadas

19 de julho: Divulgação das selecionadas para semifinal

26 de julho: Divulgação das selecionadas para final

31 de julho: Resultado final divulgado no canal no YouTube do Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras