Fela Day – Fela Kuti é centro de homenagens até sábado (15)


felaRealizado em vários países, o Fela Day celebra a música e a memória do músico nigeriano Fela Kuti, criador do afrobeat e considerado um dos artistas mais importantes do século passado. Iniciativa de admiradores e artistas influenciados por sua obra e postura política, o evento é organizado de forma espontânea, e tem como auge o dia 15 de outubro, data da nascimento de Fela Kuti, que estaria completando 78 anos.

Em Salvador, uma das iniciativas que marca o Fela Day tem na linha de frente o coletivo Blackitude – Vozes Negras da Bahia, o Sistema Kalakuta e a banda IFA. Juntos e com a participação de vários parceiros, bem ao espírito de congregação defendido pelo nigeriano, o evento mistura diferentes linguagens artísticas, em quatro dias de atividades – de quarta a sábado (12 a 15) – quase todas com entrada gratuita.

Nesta edição, o Fela Day homenageia o cientista político e escritor cubano Carlos Moore, biógrafo oficial de Fela Kuti e que está radicado em Salvador. Moore é autor de Fela – Esta Vida Puta, lançado originalmente na França nos anos 80 e publicado no Brasil em 2011, pela editora Nandyala, com prefácio de Gilberto Gil.

            As atividades começam nesta quarta, com uma edição especial do Sarau Bem Black, na Ocupação Coaty, na Ladeira da Misericórdia. A roda de poesia começa às 16h, em frente à sede da prefeitura e segue até o casarão histórico, onde acontecerá a exibição do filme FELA: a Música é a Arma (17h), seguido do sarau. Nesta edição, o Bem Black recebe o poeta paulista Akins Kintê, que lança em Salvador o livro de poemas Muzimba: Na Humildade sem Maldade, conta com intervenção visual do grafiteiro Zezé Olukemi e do artista plástico Pablo Dinada (que farão trabalhos ao vivo sobre Fela Kuti) e trilha sonora com muito afrobeat, a cargo do DJ Joe. Comandado pelo poeta Nelson Maca, o sarau conta com as poetas residentes Vera Lopes, Lúcia Helena e Luiza Santos.

            A semana segue com o bate-papo Nós e as Razões e Sentidos do Fela Day – Homenagem a Carlos Moore, que estará presente, na quinta, às 19h. O encontro será na loja Katuka Africanidades, na Praça da Sé. Participam da conversa a cantora nigeriana Okei Odili e componentes do coletivo Blackitude, do sound-system Sistema Kalakuta e da banda IFÁ. Estará presente o dj Riffs que, além de participar da conversa, fará intervenções sonoras em diálogo com os temas tratados.

Na sexta, o Fela Day retorna à Ocupação Coaty, a partir das 16h,  com performances do  Sistema Kalakuta (gratuita), que abre a fecha a seção, e  do grupo Laia Gaiatta, com participação do Tropical Selvagem (pague quanto puder).  E termina no sábado, com show da IFÁ, às 20h, no Largo Pedro Arcanjo, no Pelourinho, com participações de  Nelson Maca, Sistema Kalakuta e Okwei Odili (R$ 30-15).

PROGRAMAÇÂO

Fela Day BA 2016

1.Quarta, 12 – Sarau Bem Black – De Fela a Kintê*
– Lançamento: Muzimba: na humildade sem maldade (poemas)

de Akins Kintê (SP)
–  Intervenção visual: Zezé Olukemi e Pablo Dinada
– Dj Joe toca Fela Kuti

– Local: Ocupação Coaty, Ladeira da Misericórdia (ao lado da prefeitura)
– Horário: 17h
Entrada franca
*Concentração: Roda livre de poesia em frente à prefeitura – 16h

  1. Quinta, 13 –  Bate-papo: Nós e as Razões e Sentidos do Fela Day*
    – Homenagem a Carlos Moore

Com Coletivo Blackitude, IFÁ Afrobeat e Sistema Kalakuta
Participação: Dj Riffs
Convidada: Okwei Odili (Nigéria)
Local: Katuka Africanidades – Praça da Sé
Horário: 19h
Entrada Franca

3.Sexta, 14 – Sistema Kalakuta e Laia Gaiatta*
Local: Ocupação Coaty – Ladeira da Misericórdia
Participação: Tropical Selvagem
Intervenção visual: Pablo Dinada
Grafite: Zezé Olukemi e Convidados
Horário: A partir das 16
Entrada: Sistema Kalakuta (Free)
Laila Gaiata & Tropical Selvagem (Pague quanto puder)

4.Sábado, 15 – IFÁ
Convidados: Nelson Maca, Sistema Kalakuta e Okwei Odili
Local: Largo Pedro Arcanjo – Pelourinho
Horário: 20h
Entrada: R$ 30\ R$ 15

*Com exibição do documentário FELA: a Música é a Arma de Jean-Jacques Flori e Stéphane Tchalgadjieff (53’-1982)”