Ilê Aiyê escolherá Deusa do Ébano dentre 15 finalistas em fevereiro


No dia 4 de fevereiro, sábado, o Ilê Aiyê realizará sua tradicional Noite da Beleza Negra, quando escolherá a rainha que reinará o Carnaval do bloco. São 15 mulheres finalistas que disputarão o título de Deusa do Ébano 2017. O Portal SoteroPreta compartilha a matéria produzida pela jornalista, Meire Oliveira, para a Revista Flor de Dendê, trazendo uma breve descrição de cada uma das candidatas. Conheça as finalistas:

Ana Paula da SilvaAna Paula da Silva Santos, 25 anos, vendedora. Bairro: Curuzu
Em sua primeira tentativa, em 2012, Ana não esquece que a vencedora já havia concorrido em cinco edições do concurso. Assim ela vai para a quarta seleção para realizar o sonho de criança. “O meu primeiro desfile de Ilê ainda foi no ventre da minha mãe”, disse. No preparo, Ana conta ajuda de amigos e parentes para montar a coreografia e não deixa de ver suas apresentações anteriores para não repetir os deslizes, além da confecção da roupa. “A apresentação nunca sai igual ao ensaio. A emoção conta muito. Este ano pretendo me soltar mais”.

Camila CruzCamila Cruz Silva, 25 anos, assistente de vendas. Bairro: Plataforma
Ficar pelo menos entre as três primeiras colocações é a meta inicial de Camila que concorre pelo segundo ano. Para tanto, ela vai se esforçar para sorrir mais e mostrar simpatia no palco. “O Ilê mostra a nossa realidade e mostra que podemos estar onde queremos e devemos. Me sinto representada”. Em seu dia a dia, a dança está sempre presente. “Ensaio em casa, faço aula na Funceb (Fundação Cultural do Estado da Bahia) para me sentir mais segura na dança”.

cibele da silvaCibele da Silva Santos, 28 anos, afro-empreendedora. Bairro: Fazenda Garcia
Para conceder essa entrevista, Cibele saiu do meio do cortejo puxado pelo Ilê na Lavagem do Bonfim. “É o quarto ano que participo. Além da educação que tive dos meus pais, o Ilê ajudou na construção da minha identidade  e  consciência”. Ao contrário da maioria, ela fica mais nervosa durante as primeiras seleções do que na noite da escolha. ” A cada ano saio mais fortalecida. Esse não é um concurso qualquer. Tem a ver com ancestralidade e com os orixás”. Os amigos e a comunidade o terreiro onde é líder religiosa, ajudam na escolha dos passos que irá executar e na composição do figurino.

daiane souzaDaiane de Souza Conceição, 22 anos, auxiliar administrativo. Bairro:Itapuã
Depois do posto de Rainha Malê 2013, Daiane passou a desejar a coroa de Deusa do Ébano e lá se vão quatro anos.  Por causa do Ilê ela garante que começou a firmar sua identidade, pois gostou do sentido do empoderamento, parou de ter receio de usar cores que antes não pareciam adequadas à tonalidade da sua pele. “Só deixo de concorrer quando ganhar. A vontade de ser rainha ajuda a nossa luta em todos os aspectos. Na ficha do primeiro ano que concorri, fiquei com vergonha de não ter o que colocar na escolaridade. Voltei a estudar, faço pedagogia”. O penteado ainda não foi definido. Enquanto isso ela se divide em adquirir condicionamento físico e recebe orientações do profissional que lhe auxilia.

daniele nobreDaniele Nobre Nascimento, 31 anos, secretária executiva e empreendedora. Bairro: Bonocô
Há sete anos, Daniele adora se produzir para conquistar essa coroa. E já chegou bem perto com o 2º lugar (2013 e 2016) e o 3º (2008) desfilando no carro da rainha no Carnaval.  Com toda a família seguindo o Ilê, o sonho é partilhado com amigos e parentes, inclusive o namorado que é personal trainner e os amigos que ajudam na aula de dança. “Me sento deusa naquele palco”. Ela também não abre mão de participar de todas as escolhas da roupa. “Faço tudo junto com o estilista. A roupa tem que ser bonita, mas tem que ter efeito no girar, descer, quebrar”.

edmeire cerqueiraEdmeire Cerqueira do Rosário, 32 anos, técnica administrativa. Bairro: Liberdade
Na primeira vez não achou que ia alcançar. “Não queria ser rainha, queria ganhar fantasia”. Mas quando viu que ficou com o terceiro lugar na primeira participação, em 2006, a vontade cresceu e essa é a sua sétima tentativa. A Muzembela 2016 segue persistindo. “Um dia alcanço. Enquanto tiver idade e saúde vou tentando”. A roupa é pensada pela mãe e confeccionada pela cunhada da mãe. Já nos ensaios se vira sozinha com vídeos e música e se sente mais preparada.

elaine cristinaElaine Cristina Silva Lima de Jesus, 27 anos, esteticista afro. Bairro: Santa Mônica
Deixar a vergonha de lado e fazer tudo que realiza nos ensaios é a meta para a apresentação de Elaine em seu segundo ano no concurso. Ela conheceu o Ilê em um curso profissionalizante, em 2009, de estética afro. “O Ilê que me profissionalizou e me conscientizou formando a minha identidade, mostrando o que é ser negro. Aprendi que a mulher negra pode estar onde ela quiser”. Para a roupa ela conta com apoio profissional.

gisele soaresGisele Santos Soares, 24 anos, professora de dança. Bairro: Itapuã
A mãe e as tias sempre quiseram concorrer ao título, mas a iniciativa de encarar a seleção ficou para Gisele que estreia este ano. ” O título fortalece nossa afirmação e luta contra o racismo, traz representatividade. Foi uma emoção ser selecionada e estou recebendo ajuda de vários amigos. Qualquer uma que ganhe, vai representar a melhor forma”, disse ela que alia a preparação física a espiritual.

honara paixãoHonara Santos da Paixão,20 anos, universitária. Bairro:  Fazenda Garcia                                                                                                                               Após desfilar como foliã por 10 anos, Honara acha que é a hora de bailar em cima do trio com rainha. Em sua primeira tentativa ela que já se sentiu representada por várias Deusas do Ébano, quer representar outras mulheres. “É o lugar onde pessoas comuns se tornam rainhas.  A preparação já dura um ano. Na dança conta com amigas e a roupa será feita por um irmão de santo. ” Só precisava ficar entre as quinze e estou. Foi difícil dormir e acreditar”.

juciara espírito santoJuciara do Espírito Santo Silva,35 anos, promotora e universitária. Bairro: Nordeste
Sair da zona de conforto e intensificar as aulas de dança para inovar nas evoluções são as ações de Juciara para sentir a sensação de carregar o título em seu oitavo concurso. Ela ficou na 3ª colocação em 2009 e treina muito em casa. “O Ilê me ensinou a garantir o meu espaço sendo mulher guerreira e negra. Alcançar e sempre garantindo o meu espaço”.

jucineide ferreiraJucineide Ferreira dos Santos,31 anos, técnica em segurança do trabalho. Bairro: Pero Vaz
No bloco ela desfila desde os 13 anos de idade  e conta com o apoio da família até realizar o desejo de ser Deusa do Ébano. Na quinta tentativa de comandar o desfile do Ilê Aiyê, Jucineide quer radicalizar. “Vou mudar em tudo. Na roupa, na dança. Vejo os vídeos antigos, ensaio em casa e não quero repetir nada dos anos anteriores”.

juliana da silvaJuliana da Silva Conceição,29 anos, recepcionista. Bairro: Acupe de Brotas
Se tornar referência para mulheres e crianças é o sonho de Juliana que está em sua sexta participação no concurso. Gostou da experiência de ser princesa em 2012 e o empoderamento cresceu, além do incentivo de  amigos e familiares. “É mais que um título, é autoafirmação. Nossa dança fala muito, mostra a cultura”. Além do preparo espiritual, ela faz o curso de dança oferecido pelo Ilê na Funceb, um amigo formado em moda faz a roupa. “Venho com mais ousadia, investindo em nova técnicas de evolução e um diferencial na roupa”.

suana emileSuana Emile Góis de Jesus,24 anos, auxiliar administrativa. Bairro: Santo Antônio Além do Carmo
Sempre assistiu ao concurso, mas a antiga moradora da Liberdade  tinha vergonha por conta do seu corpo. “Aí percebi que não tinha isso. Não existe diferença, todas são valorizadas e sem precisar ser rotulada”. A familiaridade com a dança é antiga. Ela integra o grupo residente da Funceb , o Valse D’amor, além da quadrilha Capelinha do Forró. A figurinista que trabalha com ela, vai ajudar na roupa.

viviane lopesViviane Lopes de Santana,25 anos, baiana de acarajé. Bairro: Itapuã
Ainda não deu para se acostumar com a vivência com mulheres que admirava de longe e bem mais experientes. “É a minha primeira vez e já me sinto vitoriosa por ser finalista. O Ilê tem um legado que fortalece e impulsiona nossas vitórias”. A 2ª colocação no Negra Malê 2014 sem nunca ter participado de uma seleção, deixa a candidata mais tranquila. “Me sinto em casa no palco”, disse ela que conta com apoio da família biológica e de axé em sua trajetória.

thuane vitoriaThuane Vitória Pereira Santana,19 anos, estudante. Fazenda Grande do Retiro

Ela ainda não acredita que, em sua primeira participação, está as quinze finalista da edição de 2017 do concurso. ” Sempre tive esse sonho. O Ilê mostra nossos valores políticos, étnicos e tenho muito respeito pela história da entidade. A família de axé e a biológica estão na  torcida. “Meu pai de santo é quem mais me incentiva”. Um amigo dançarino vai ajudar na coreografia e na roupa que também vai contar com o auxílio dos irmãos do terreiro.

 

 

Texto: Meire Oliveira (Flor de Dendê)

Fotos: André Frutuoso