Larissa Luz – Grammy, territórios, conquistas e empoderamento artístico


foto_fig63
Ela foi a única baiana na lista dos indicados ao Grammy Latino 2016, ela é preta, de Salvador e – podemos dizer – está em um momento único de sua carreira: conquistando seu território. Estamos falando de Larissa Luz, cantora, atriz, antenada com o que seu público quer ouvir, ver e com quem ele quer se identificar. “Território Conquistado” concorre ao título de Melhor Álbum Pop Contemporâneo em Português, junto a pérolas como Martinho da Vila, Djavan e da própria inspiração de Larissa – Elza Soares. Ela conversou com o SoteroPreta, confira:

Portal SoteroPreta – Larissa Luz, como definir a pessoa e a artista? Há pontos que não se encontram nesta relação?

Larissa Luz – Acredito que somos uma coisa só. Somos ideias vindo de dentro, das vivências e experiências, virando arte concreta e extremamente verdadeira. Quando a arte é feita com verdade, ela vai a fundo no emocional das pessoas. Costumo ser explosiva, viver tudo muito intensamente, viciada em sentir…visceral…mergulho de cabeça e sinto muito prazer fazendo o que faço. Me vejo transbordando e inundando a plateia. Estou sempre estabelecendo relação entre o palco e a vida, a pessoa e a artista, ligando os pontos e proporcionando uma interação entre eles.

Foto: SafiraMoreira
Foto: SafiraMoreira

Portal SoteroPreta – Em que momento você entendeu que era na música que estava seu caminho e como você avalia suas experiências até então?

Larissa Luz – Minha relação com a música começou muito cedo, desde muito nova já ouvia os cds de Gonzaguinha, Gilberto Gil de minha mãe, que me fez mergulhar na literatura. Através da literatura, veio o interesse pelo teatro, o teatro me fez cantar e quando eu cantei tive a certeza de que era o queria para minha vida. Desde então passei a trabalhar por isso arduamente, vivendo, amadurecendo, e tentando tirar o melhor de cada experiência. Vivi muito por esse tempo fora…transitei por bares, navios, musicais.. agora estou investindo num trabalho autoral e ele está sendo bem aceito … uau! Acho que foi maravilhoso ter vivido tudo que vivi. Tudo necessário, tudo como tinha que ser! Adquiri uma experiência única. E continuo querendo mais!

Portal SoteroPreta – Qual mais te marcou e acrescentou nesta trajetória? Quem te influencia hoje?

Larissa Luz – Acho que assumir o Ara Ketu com 20 anos, super inexperiente, foi uma pressão punk. Marcou demais o processo todo. Chegar e sair. Hoje em dia escuto muito Nneka, Betty Davis, Concha Buika, Titika, Flávia Coelho, Elza Soares, MIA, Gil, Criolo…são artistas que me influenciam artisticamente e ideologicamente.

Portal SoteroPreta – Única baiana indicada ao Grammy Latino. O que é isso pra você, artista negra soteropolitana?

Larissa Luz – Representatividade. Território conquistado! Caminhos sendo traçados rumo a uma conquista de um território mais amplo. Portas se abrindo. Oportunidade.

foto_fig116Portal SoteroPreta – Seu estilo hoje se encontra com diversos discursos, há política em sua arte. Como você define estes encontros?

Larissa Luz – O meu discurso se forma através das minhas experiências e relatos de mulheres. Fui desenvolvendo as letras ao lado do meu Parceiro Pedro Itan, dando vida a elas, colocando para fora o que estava vivendo e sentindo. Vejo a arte como uma ferramenta política e transformadora, tento contribuir para a formação de uma sociedade que eu acredito ser melhor do que a que vivemos,  livre do racismo, da homofobia, do machismo.

Portal SoteroPreta – Que “Território” é este que você “Conquistou”?

Larissa Luz – O território primeiramente definido como nosso cabelo, nossa estética..(tíítulo inspirado num texto de Bell Hooks). É uma metáfora dos espaços que estamos conquistando. Na mídia, no mercado de trabalho, espaço na sociedade pra ser, sentir e acontecer livremente. E acredito que estamos num processo evolutivo. Já conquistamos espaços sim. E vamos além.

28492486545_3d82889f24_oPortal SoteroPreta – Como você avalia o cenário artístico baiano atualmente?

Larissa Luz – Acho muito pouco o que nos é oferecido em termos de oportunidade, apesar disso acredito que estamos em constante crescimento, na luta.

Portal SoteroPreta – Quais os planos de Larissa Luz daqui pra frente?

Larissa Luz – Gravar um clipe por agora, dar continuidade à turnê e começar a trabalhar a carreira internacional. Ano que vem devo voltar a trabalhar com teatro.

Portal SoteroPreta – O que dizer aos artistas independentes de Salvador, em especial negros e negras que tem tentando manter sua música diferenciada em um território como Salvador?

Larissa Luz – Sejamos senhoras das nossas próprias histórias. Podemos.