Atrizes Eddy Veríssimo e Juliana Monique lançam projeto “Sobejo: Processo Indeferido” no Youtube


 

Foto Juarez Andaluz

 

No dia de todas as mulheres – 8 DE MARÇO – as atrizes e produtoras Eddy Veríssimo e Juliana Monique lançam o projeto “Sobejo: Processo Indeferido”, uma série audiovisual homônima com cinco episódios em torno das formas de violência tipificadas na Lei Maria da Penha. A exibição dos episódios será no canal do Youtube Sobejo e será seguida da exibição do espetáculo SOBEJO, que inspirou a série.

Os episódios falam de como as violências são constantes nos lares e muitas vezes difíceis de serem detectadas. Além das exibições, haverá, ainda, um webinário que abordará “O processo criativo e o papel da arte na denúncia das mazelas crônicas da sociedade”, além de uma live com especialista no combate à violência doméstica e feminicídio.

A série reúne Eddy Veríssimo, Indaiá Oliveira, Juliana Monique, Thais Grecco e Denise Correia, e para colaborar no ecoar de vozes femininas silenciadas pela violência doméstica e feminicídio o elenco conta com a participação dos atores Cláudio Nyack, Israel Barreto e Luiz Buranga, que também assina o roteiro.

“O objetivo da série é evidenciar e promover educação e reflexão sobre um tema sensível, mas que precisa chegar na sociedade cada vez mais frequente, por isso, os cinco episódios evidenciam as consequências da violência sobre a vidas das mulheres”, afirma a atriz Juliana Monique.

“A importância é a de fomentar na sociedade o questionamento do lugar onde a mulher é colocada, a rejeição e a subvida que lhe é permitida e também ao cerceamento dos seus direitos básicos. Buscamos através da arte rejeitar todo e qualquer processo que queira destinar o resto para nós, mulheres”, completa a atriz Eddy Veríssimo.

Esse projeto foi contemplado pelo Prêmio Riachão – Projetos de Pequeno Porte, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, destinado pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Serviço:
SOBEJO: PROCESSO INDEFERIDO
Quando: 8 de março, 19h
Onde: Canal do Youtube Sobejo

 

Projeto “Sobejo – Porque ainda é preciso gritar” realiza circuito de lives e espetáculo ao vivo


Foto Sidney Rochart

 

O projeto “SOBEJO – Porque ainda é preciso gritar”, idealizado pela atriz e produtora Eddy Veríssimo, traz novamente em cartaz um espetáculo de denúncia e guerrilha que se propõe a realizar três apresentações ao vivo do monólogo Sobejo, com estreia no dia 08 de março – Dia da Mulher. Data escolhida para reafirmar o compromisso com a vida e bem estar de mulheres e meninas.

O monólogo interpretado por Eddy Veríssimo, indicada na categoria de melhor atriz para o Prêmio Braskem de Teatro em 2016, conta com trilha sonora de Roquildes Júnior e tem direção do dramaturgo Luiz Buranga. O espetáculo narra a história de Georgina Serrat, uma mulher que vê sua saúde mental, felicidade e sonhos destruídos quando descobre no casamento a face violenta do marido.

O projeto promove ainda um circuito de seis lives com especialistas no combate ao feminicídio, que acontecerá após a exibição do espetáculo (gravado) no Youtube. A cada encontro, a atriz recebe mulheres que estão na linha de frente no combate a todas as formas de violência contra a mulher, representantes da Ronda Maria da Penha, Conjunto Penal Feminino de Salvador, Ministério Público da Bahia da Vara da Violência Doméstica, Delegacia de Apoio à Mulher (DEAM) – Brotas, Coletivo de Mulheres do Calafate e também da Secretaria de Política para Mulheres (SPM).

As apresentações ao vivo ocorrerão às 19h através da plataforma do Teatro Gamboa Nova, onde também podem ser adquiridos os ingressos nos valores de R$10 (meia) e R$20 (inteira).

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Serviço

O quê? Espetáculo Solo Sobejo e Circuito de Lives com especialistas em combate a feminicídio

Quando? 08/03 a 06/04

Que horas? 19h

Onde? Plataforma Virtual do Teatro Gamboa Nova (espetáculo) e Youtube(lives)

Quanto custa? R$20 (inteira) / R$10 (meia)

Informações? @sobejo.espetaculo

Ingressos: https://linklist.bio/Sobejo

“Sobejo”, solo com a atriz Eddy Veríssimo, volta em cartaz na Casa d’A Outra!


sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

 

Sobejo, solo com a atriz Eddy Veríssimo, indicada em 2016 ao Prêmio Braskem de Teatro, na categoria melhor atriz volta em cartaz nos dias 22 e 29 de março, na Casa d’A Outra. A peça, escrita e dirigida pelo ator, dramaturgo, diretor, figurinista, e também integrante d’A Outra Companhia de Teatro, Luiz Buranga

Sobejo retrata a biografia fictícia da personagem Georgina Serrat, uma dona de casa que depositou a fé e felicidade no casamento e tem seus sonhos frustrados pelas agressões do marido. Num misto de flashbacks e depoimentos, vemos uma mulher enclausurada em suas memórias, detalhando um cotidiano cruel e desenrolando uma teia que desemboca num final surpreendente.

Em Sobejo, Eddy Veríssimo embarca em seu primeiro espetáculo solo após integrar o elenco de diversas produções teatrais como Ruína de Anjos (2015), Remendo Remendó (2011), e Arlequim – servidor de dois patrões (2004), montagem de fundação d’A Outra Companhia e que lhe rendeu também a indicação ao Prêmio Braskem de Teatro na categoria Melhor Atriz Coadjuvante.m. O espetáculo estreou em 2016, ano em que se celebra os dez anos da Lei 11.340 (Lei Maria da Penha), criada para oferecer mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.

 

Serviço

O Quê: Sobejo – solo com Eddy Veríssimo

Quando: 15, 22 e 29 de março, 20h

Onde: Casa d’A Outra – Rua do Politeama de Cima, 114 (em frente ao Instituto Feminino).

Quanto: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

A Outra Cia de Teatro reexibe “Sobejo” e “Dona Coca” no Gamboa Nova este mês!


sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

Com o objetivo de falar sobre dramas femininos e uma nova proposta cênica, A Outra Companhia de Teatro lança A Outra em Solos, projeto que estará em cartaz este mês de agosto no Teatro Gamboa Nova, com os espetáculos Sobejo, solo de Eddy Veríssimo e Dona Coca, solo de Luiz Buranga.

Em sua quarta temporada, Sobejo retrata a biografia fictícia da personagem Georgina Serrat, uma dona de casa que depositou a fé sobre sua felicidade no casamento, e como muitas mulheres do nosso tempo tem seus sonhos frustrados pelas agressões de um marido violento. Num misto de flashbacks e depoimentos, vemos uma mulher enclausurada em suas memórias, detalhando um cotidiano cruel e desenrolando uma teia que desemboca num final surpreendente.

Já o espetáculo Dona Coca retrata a vida de Dona Conceição Oliveira Cerqueira Alves, uma mulher do povo, moradora do subúrbio,vendedora de lanche durante o dia na frente de um hospital público, cobradora de ônibus durante a noite num per noitão e baiana de acarajé nos finais de semana.

 

SERVIÇO

Sobejo – Dias 03, 10 e 17 de agosto (sextas)

Horário – 20h

Valor- R$20/10

Dona Coca – Dias 04,11 e 18 de agosto (sábados)

Horário – 19h

Valor –  R$20/10

 

Escritora Lívia Natália lança livro “Sobejos do Mar”, com sessão de autógrafos!


Lívia Natália
Lívia Natália – Foto Andreia Magnoni

 

Na próxima quarta-feira (11), a poetisa e escritora baiana, Lívia Natália, lança seu quinto livro Sobejos do Mar. Publicado pela editora Caramurê,  a obra apresenta poemas que misturam fortes tons de militância poética, algo que vem caracterizando a escrita.

O livro é dividido em duas partes, Maré vermelha e Maré cedeira. Maré vermelha, em remissão à tragédia que se abateu sobre pescadores,marisqueiras e outros profissionais que vivem do mar, no ano de 2007, traz poemas de maior densidade subjetiva. Lembram, em alguns tons, o universo representacional de Água Negra, seu livro de estreia.

A segunda parte, Maré cedeira, faz uma referência a um dos falares da população que vive às margens do mar em Salinas das Margaridas, localidade que faz parte da infância da autora. Foi para onde ela se dirigiu a fim de isolar-se para escrever o livro.

Cedo a maré avança sobre a praia, cedo as vidas de jovens negros são ceifadas. Este é o grande tema de Maré Cedeira: registrar e denunciar, pela força poética, o genocídio sistemático da juventude negra.

Vilma_Reis
foto: banco de imagens

Por isso, na noite do lançamento haverá um recital com o Coletivo Zeferinas, composto por jovens negras.

Na ocasião, ocorrerá um debate sobre Poesia e Resistência entre a poetisa Lívia Natália, Vilma Reis, Ouvidora da Defensoria Pública da Bahia, o Policial Civil, Kleber Rosa, do Movimento de Policiais Antifascismo e o escritor Wesley Correia, que fez a apresentação do livro e mediará o debate.

Serviço

Lançamento do livro Sobejos do Mar – Lívia Natália

Local: Espaço Cultural Barroquinha
Data: 11/abril
Hora: 18h

Atriz Eddy Veríssimo volta a a pautar a violência doméstica com solo “SOBEJO”!


sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

A atriz Eddy Veríssimo, indicada em 2016 ao Prêmio Braskem de Teatro, na categoria melhor atriz, volta à Casa d’A Outra, no Politeama, com seu monólogo, SOBEJO. Escrita e dirigida pelo ator, dramaturgo, diretor, figurinista, e também integrante d’A Outra Companhia de Teatro, Luiz Buranga, a peça será apresentada nos dias 06, 07, 13, 14, 27 e 28 de outubro, e 03 e 04 de novembro, sempre sextas-feiras e sábados, às 20h.

Sobejo retrata a biografia fictícia da personagem Georgina Serrat, uma dona de casa que depositou a fé sobre sua felicidade no casamento e tem seus sonhos frustrados pelas agressões de um marido violento. Num misto de flashbacks e depoimentos, vemos uma mulher enclausurada em suas memórias, detalhando um cotidiano cruel e desenrolando uma teia que desemboca num final surpreendente.

Eddy Veríssimo, que também assina a produção do espetáculo, embarca em seu primeiro espetáculo solo após integrar o elenco de diversas produções teatrais como Ruína de Anjos (2015), Remendo Remendó (2011), e Arlequim – servidor de dois patrões (2004), montagem de fundação d’A Outra Companhia e que lhe rendeu também a indicação ao Prêmio Braskem de Teatro na categoria Melhor Atriz Coadjuvante.

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

O espetáculo estreou em 2016, ano em que se celebra os dez anos da Lei 11.340 (Lei Maria da Penha), criada para oferecer mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Na estreia alunos da Faculdade Vasco da Gama foram convidados para assistir ao espetáculo, que será seguido de debate com a diretora do Presídio Feminino, Luz Marina. 

 

Serviço

O Quê: Sobejo – solo com Eddy Veríssimo

Quando: 06, 07, 13, 14, 27 E 28 de OUTUBRO; 03 E 04 DE NOVEMBRO de 2017 – sextas e sábados, às 20h

Onde: Casa d’A Outra – Rua do Politeama de Cima, 114 (em frente ao Instituto Feminino).

Quanto: R$ 30.00 (inteira), R$ 15.00 (meia)

SOBEJO volta em cartaz na Casa da Outra, com Eddy Veríssimo


sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

Violência física, psicológica, doméstica, violência que machuca o corpo e fere a alma, violência contra a mulher: este é o cerne de Sobejo, solo com a atriz Eddy Veríssimo, indicado ao Prêmio Braskem de Teatro, na categoria Melhor Atriz. A peça volta em cartaz do dia 20 de janeiro até 04 de fevereiro, sempre sextas-feiras e sábados, na Casa da Outra (Politeama), às 20h.

A peça, escrita e dirigida pelo ator, dramaturgo, diretor, figurinista, e também integrante do grupo, Luiz Buranga, retrata a biografia fictícia da personagem Georgina Serrat, uma dona de casa que depositou a fé sobre sua felicidade no casamento e tem seus sonhos frustrados pelas agressões de um marido violento.

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

A encenação que acontece num estreito corredor da Casa da Outra, no Politeama, possibilitando os espectadores sentir o ambiente caótico que simboliza a cabeça da personagem .

“Ao fazer este espetáculo, tocamos numa ferida da sociedade coberta de gases e esparadrapos sem cicatrização, que a cada dia sangra mais e colocamos paliativos, maquiamos, suportamos a dor de um grito que não ecoa por muitos motivos: medo, status, dinheiro e a família apesar de tudo”, revela o autor e diretor.

Eddy Veríssimo, que também assina a produção do espetáculo, embarca em seu primeiro espetáculo solo após integrar o elenco de diversas produções teatrais como Ruína de Anjos (2015), Remendo Remendó (2011), e Arlequim – servidor de dois patrões (2004), montagem de fundação d’A Outra Companhia e que lhe rendeu a indicação ao Prêmio Braskem de Teatro na categoria Melhor Atriz Coadjuvante.

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

“Fazer Sobejo tem sido muito desafiante e aborda um tema tão caro para as mulheres de todos os lugares, em todos os tempos: a violência a qual nós, mulheres, somos submetidas o tempo inteiro. Fazer a peça mostra que precisamos gritar e não nos conformarmos nunca com essa situação”, conta Eddy Veríssimo.

 

Eddy Veríssimo leva “SOBEJO” de volta aos palcos dias 8 e 9


sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

Violência física, psicológica, doméstica, violência que machuca o corpo e fere a alma. Essa é a proposta do solo teatral SOBEJO da atriz e produtora Eddy Veríssimo em cartaz dias 8 (quinta) e 9 (sexta) de dezembro, 20h, na Casa da Outra, Centro Comercial Politeama.

A peça – escrita e dirigida pelo ator, dramaturgo, diretor e figurinista, Luiz Buranga – integrou a programação do Festival A Cena Tá Preta, realizada pelo Bando de Teatro Olodum em novembro. Na trama, Eddy Veríssimo interpreta Georgina Serrat, uma dona de casa que apostou no casamento e teve sua felicidade e sonho frustrados pelas agressões de um marido violento.

 

 

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

“Esse ano está completando 10 anos de Lei Maria da Penha e ainda temos que falar sobre violência contra mulher. Sobejo foi um presente, estou falando sobre nós mulheres em um cotexto atual que ainda é forte em nossa sociedade”, diz Eddy Veríssimo. 

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

Ao longo da peça, Veríssimo apresenta o ambiente mental da personagem em meio ao caos da violência. “Esse é meu primeiro solo e já começo abordando um tema tão caro para as mulheres de todos os lugares em todos os tempos, que é a violência à qual nós, mulheres, somos submetidas o tempo todo. Fazer Sobejo mostra que precisamos gritar e não nos conformarmos nunca com essa situação”, enfatiza a atriz.

SERVIÇO

SOBEJO

Onde: Casa da Outra, Centro Comercial Politeama

Quando: 8 (quinta) e 9 (sexta) de dezembro, 20h

Quanto: R$20/10

Informações: (71) 3565-4623

Fotos: Andreia Magnoni

#ACenaTaPreta – Sobejo estreia com emoção e força de Eddy Veríssimo


sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

Violência física, psicológica, doméstica, violência que machuca o corpo e fere a alma. Essa é a proposta do solo teatral da atriz e produtora Eddy Veríssimo que, em apresentação única na noite desta terça (8), emocionou o público no Teatro Vila Velha.

A peça – escrita e dirigida pelo ator, dramaturgo, diretor e figurinista, Luiz Buranga – integrou a programação do Festival A Cena Tá Preta, realizada pelo Bando de teatro Olodum junto ao Vila.

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

Eddy falou ao #PortalSoteroPreta como foi interpretar uma mulher como Georgina Serrat, uma dona de casa que apostou no casamento e teve sua felicidade e sonho frustrados pelas agressões de um marido violento.

“No começo eu não aceitei o papel, achava que não iria conseguir. Mesmo com 12 anos de Teatro, me sentia insegura em estar sozinha em cena. Mas quando ele (Buranga) me mandou o texto com a história de Georgina, entendi que são muitas Georginas em nosso país. Aliás é universal, Georgina está em todo canto do mundo”, enfatiza a atriz.

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Andréa Magnoni

“Sobejo” é o primeiro solo de Eddy Veríssimo e, num misto de flashbacks e depoimentos, ela apresenta um cotidiano de agressões, abordando também a violência estética, religiosa, racial, questiona o e a fragilidade afetiva que enclausura mulheres em casamentos infelizes, violentos em todos estes aspectos. Foi emocionante, mas a emoção não ficou só por conta da intérprete, o público também respondeu.

 “Foi surpreendente, superou minhas expectativas, é muito forte. O Festival  é muito bom e importante, deveria ter mais edições durante o ano para que mais trabalhos e produções dos pretos tenha mais oportunidade”, afirma Ruthe Luz, integrante do Barracão das Artes.

sobejofestivalacenatapreta
Foto: Suzana Batista

A professora de Teatro, Josy Neves, que já fez vários trabalhos com Eddy Veríssimo, falou da atuação da amiga: “É sempre bom vê-la. Essa peça transmite a emoção e o sentimento da mulher que é coagida e tem medo de se expor”.

O casal Edimare Santos e Adilto Santos foram prestigiar a amiga. Para Edimari Santos, “um Festival como esse não pode acontecer uma vez apenas por ano. É muito bacana, dá visibilidade ao povo negro e isso é muito legal, o novo é interessante e tem que dá oportunidade para eles”, diz.

sobejofestivalacenatapreta
Edimare Santos e Adilto Santos Foto: Suzana Batista

A atriz Eddy Veríssimo fala também da importância desse tema em um ano em que a Lei Maria da Penha completa dez anos. “Eu comecei a ver o quanto que valia a pena contar essa história. Para mim, como atriz e mulher, estrear falando sobre violência e sobre mulher é importante. Nunca se cale, respire fundo, levante a cabeça e entenda que tem como reverter esse quadro. É preciso denunciar, olhar no espelho e entender que ela é uma mulher, não é lixo. Que ela é capaz de ser vista pela sociedade como uma mulher digna de respeito”, conclui.

Quer saber o que mais tá rolando no Festival? Veja aqui.

 

Projeto cultural leva apresentações teatrais ao bairro de Stella Maris de 18 a 28 de março


Foto Rodrigo Veloso

A descentralização de eventos teatrais é o ponto de partida para a realização da I Mostra de Teatro Solo Stella Maris Convida. Com transmissão ao vivo e online dos espetáculos, entre os dias 18 e 28 de março, às 19h, a iniciativa busca fomentar o teatro, além de difundir e inserir no circuito cultural da cidade, o Teatro Lizete Ribeiro, espaço de amplas instalações localizado no bairro de Stella Maris, que abrigará essa primeira mostra.

Ao todo, sete apresentações solo vão compor a programação da Mostra, que também terá lives-entrevistas com os atores de cada solo, sempre às 19h. Além de reforçar essa área de Salvador a partir da produção teatral, a iniciativa visa valorizar artistas baianos.

As apresentações serão transmitidas pelo canal da Mostra no youtube.Além dos espetáculos, o espectador poderá bater um papo com os atores sobre temas, concepções, montagens, direção, entre outros assuntos. As lives-papos ocorrem pelo Instagram (@mostrastellamarisconvida) e iniciam também com a atriz e mediadora cultural Eddy Veríssimo, no dia 02 de março. Em seguida, os artistas Luiz Buranga (14/03), Indaiá Oliveira (15/03), Leno Sacramento (16/03), Antônio Fábio (17/03), Israel Barreto (23/03) e Guto Veloso (24/03).

SERVIÇO

O que: I Mostra de Teatro Solo Stella Maris Convida

Quando: Espetáculos entre 18 a 28 de março; lives entre 02 e 24 de março

Onde: no canal da Mostra no youtube, sempre às 19h

Espetáculos

18/03 (quinta) – Sobejo

19/03 (sexta) – Dona coca

20/ 03 (sábado) – Diário de uma vagina

21/03 (Domingo) – Encruzilhada

26/03 (Sexta) – Major oliveira

27/03 (Sábado) – Tentáculos (estréia)

28/03 (Domingo) – O avô e o rio

Lives

02/03 (terça) – Eddy Veríssimo – Atriz, Produtora, Mediadora Cultural

14/03 (domingo) – Luiz Buranga – Ator, Diretor, Produtor do Grupo Mangaia teatro

15/03 (segunda)  – Indaiá  Oliveira – Atriz, Produtora, Pedagoga e Assistente Social

16/03 (terça) – Leno Sacramento – Ator do Bando de Teatro Olodum

17/03 (quarta) – Antonio Fábio – Ator, Diretor Artístico, Produtor do Grupo Ovo Teatro e Afins

23/03 (terça) – Israel Barretto – Ator, Produtor Cultural

24/03 (quarta) – Guto Veloso – Ator , Diretor, Arte-Educador

LINK DO YOUTUBE – Mostra Stella Maris Convida

https://www.youtube.com/channel/UCZlmEOa-4XDUmSR590i2S_w