Susan Kalik lança docs sobre Transgeneridade e Candomblé em Salvador


SUSAN KALIK
Susan Kalik

A diretora de teatro e audiovisual Susan Kalik, exibe, este mês em Salvador, seus documentários Cores e Flores para Tita” e “Do que aprendi com as minhas mais velhas, nos próximos dias 18 e 21 de maio, respectivamente.

DOC CORES E FLORES PARA TITA
Diego Nascimento – “Flores para Tita”

Tita
Cores e Flores para Tita, que será exibido na noite de abertura da Mostra 10 anos do CUS – Grupo de Pesquisa Cultural e Sexualidade (UFBA), às 18h30, no Teatro do Goethe-Institut (Corredor da Vitória).

Ele fala, especialmente, de um homem trans, do jovem Renato Tita, suicidado “pela sociedade” aos 15 anos de idade na década de 70. Traz ainda depoimentos de outras pessoas trans que também sofreram com a violência, preconceito e transfobia.

No dia seguinte ao CUS, Cores e Flores para Tita será exibido na Casa Preta, localizada no bairro Dois de Julho, às 19h, na programação LGBT da ocupação artística Enxurrada na Aldeia, do Aldeia Coletivo Cênico. No espaço as pessoas poderão visitar a exposição fotográfica homônima da foto-ativista Andrea Magnoni,  inspiração para o documentário.

do que aprendi com minhas mais velhas

Do que aprendi com minhas mais velhas
O doc traz, em seu enredo, a religião do Candomblé e evidencia sua peculiaridade de ser uma religião baseada nos princípios de senioridade e ancestralidade, ou seja, uma crença que valoriza a experiência e o conhecimento dos mais velhos. É dirigido por Susan Kalik em parceria com Fernanda Júlia Onisajé.

O média-metragem será exibido pela segunda vez na Bahia na 11° Mostra de Cinema e Direitos Humanos, realizada pelo Ministério dos Direitos Humanos no dia 21 de maio, às 16h, na Sala Walter Silveira.

Programe-se:

Cores e Flores para Tita – Dia 18 de maio, 18h30

Onde: Mostra 10 anos do CUS, no Teatro do Goethe-Institut (Corredor da Vitória)

Do que aprendi com minhas mais velhas – Dia 21 de maio, 16h

Onde: Sala Walter Silveira (Barris)

Gratuito